Hope adota inteligência artificial

Hospital está usando dispositivos que ajudam a fazer diagnósticos e ainda reduzem custos

Segundo o Hope, o uso da inteligência artificial permite a otimização dos processos e a redução dos custos com exames e consultasSegundo o Hope, o uso da inteligência artificial permite a otimização dos processos e a redução dos custos com exames e consultas - Foto: Pixabay

O Hospital de Olhos de Pernambuco (Hope) investiu em conjunto com a equipe médica no uso da inteligência artificial, com o objetivo de diagnosticar doenças oftalmológicas e auxiliar nos atendimentos. Entre os serviços prestados pelo hospital que conta com a inteligência artificial, estão o prontuário eletrônico e um software que auxilia no exame de retinografia.

O primeiro foi desenvolvido no Hope e disponibiliza as fichas dos pacientes atendidos e dos que forem atendidos de forma digital para os médicos, mostrando exames de imagem, onde o mesmo pode ver em qualquer unidade do hospital. Já o software, faz uma análise completa do exame, mostrando ao médico todo o diagnóstico do paciente naquele processo, e possibilita que o paciente veja o resultado de casa.

Leia também:
Nenhuma profissão será poupada pela inteligência artificial, diz executivo
Empresa de varejo chinesa vai investir US$ 15 bi em inteligência artificial

De acordo a médica do Hope, Bruna Ventura, o aparelho é uma ferramenta que já é realidade em muitos hospitais, e chega para agregar no atendimento. “A capacidade de avaliar milhares de dados simultaneamente e identificar padrões para chegar a conclusões específicas, aliado à experiência médica e humanização, só trarão mais benefícios aos pacientes com o passar dos anos, o software verifica se algum paciente tem alguma alteração ou não na retina, isso facilita para o médico”, destaca.

Segundo o hospital, o uso da inteligência artificial gera um impacto além da assistência ao paciente, ela permite a otimização dos processos e a redução dos custos com exames e consultas com médicos especialistas, possibilitando um diagnóstico antecipado de alguma doença.

Além dessas duas formas citadas, no Hope o paciente também passa por uma telemetria, que monitora o quanto ele espera, o tempo de duração da consulta, e se ele está sendo bem atendido no local.

Ela explica que a inteligência artificial agora está deixando de atuar de forma discreta, para atuar de forma central, além de auxiliar os médicos. “O recurso auxilia o nosso trabalho, ele traz benefícios para os pacientes, melhorando o atendimento, o acompanhamento, em todos os âmbitos. Decidimos usar a inteligência para beneficiar o paciente, oferecendo um melhor serviço e segurança a eles”, disse Bruna.

Veja também

Falta de insumos e fornecedores atinge 30% das empresas
Pesquisa

Falta de insumos e fornecedores atinge 30% das empresas

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões
Economia

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões