Ibama nega licença para francesa Total explorar petróleo no Amazonas

Problemas técnicos no plano apresentado pela companhia foram identificados pelo Ibama

Rio AmazonasRio Amazonas - Foto: wikipedia

O Ibama negou nesta sexta-feira (7) à francesa Total a licença ambiental para explorar petróleo na foz do rio Amazonas, alegando "problemas técnicos" no plano apresentado pela companhia.

"A licença ambiental para a Atividade de Perfuração Marítima nos Blocos FZA-M-57, 86, 88, 125 e 127 da Foz do Amazonas foi indeferida nesta sexta-feira (07/12), em razão de um conjunto de problemas técnicos identificados ao longo do processo de licenciamento", anunciou o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis.

Leia também:
MPF pede que Ibama indefira exploração de petróleo na foz do Amazonas
Preço do petróleo aumenta após acordo da Opep
Aumentam empresas habilitadas a ofertar área de exploração de petróleo


O Ibama explicou em nota que sua decisão se baseia nas "profundas incertezas" relacionadas ao Plano de Emergência Individual (PEI) apresentado, "agravadas pela possibilidade de eventual vazamento de óleo afetar os recife biogênicos presentes na região e a biodiversidade marinha de forma mais ampla".

O Ibama afirma, ainda, que deu todas as "oportunidades possíveis" à Total E&P do Brasil para que "complementasse e esclarecesse os problemas técnicos" e que informou à empresa de sua decisão por meio de um ofício nesta sexta-feira.

A companhia francesa se associou em 2013 à britânica BP e à Petrobras para comprar blocos de exploração na desembocadura do Amazonas, e estava à espera de obter a permissão das autoridades para iniciar o trabalho de exploração. O Ministério Público e organizações de defesa ao meio ambiente haviam solicitado em abril que a licença fosse negada.

Veja também

Nova meta do governo prevê fibra ótica em 99% da cidades brasileiras
Tecnologia

Nova meta do governo prevê fibra ótica em 99% da cidades brasileiras

Dólar volta a R$ 5,40 com tensões no mercado externo
Câmbio

Dólar volta a R$ 5,40 com tensões no mercado externo