ICMS do Estado cai 39% em maio

Perdas somadas em março, abril e maio representam uma redução de R$ 936 milhões

Décio PadilhaDécio Padilha - foto:ARTHUR DE SOUZA

Os meses de março, abril e maio deste ano, somados, representaram uma redução de R$ 936 milhões na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de Pernambuco em comparação com o que se era esperado para o período. Apenas o mês de maio, arrecadou R$ 937,8 milhões, ou seja, R$ 600 milhões a menos do que o esperado, o que equivale a uma queda de 39%. Até o último dia de dezembro deste ano, o Estado prevê arrecadar R$ 3,7 bilhões a menos de ICMS, tributo que representa 74% da Receita Corrente Líquida de Pernambuco.

Quase todos os segmentos econômicos sofreram o impacto da pandemia do coronavírus. No mês de maio, os únicos segmentos que não tiveram queda dentro da expectativa esperada de arrecadação do ICMS foram medicamentos e cigarros. Esses, tiveram aumento de 1,3% e 2,4%, respectivamente. Até mesmo o setor de alimentos teve queda de 13,2% de arrecadação do ICMS este ano em comparação com o que se era esperado. E supermercados a mesma coisa: queda de 13,9%. “O motivo da redução nos alimentos e no supermercados foi a inadimplência. Os estabelecimentos emitiram nota fiscal, mas não pagaram”, explicou o secretário da Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha.

O Governo do Estado já diz que vai cortar, neste ano, R$ 493 milhões no custeio da máquina pública, isso inclui cortes com serviço de terceiro, energia, combustível e consultorias.

Para conseguir dar um afago nessa perda de arrecadação do ICMS, o governo aguarda recursos que serão depositados pelo Governo Federal, no dia 9 de junho, de R$ 269 milhões, como uma primeira parcela. No total, o Estado receberá pouco mais de R$ 1 bilhão para compensar a perda da arrecadação.

Leia também:
Governo define protocolo para salões de beleza
MPPE recomenda que prefeitos devem evitar que população acenda fogueiras e use fogos de artifício


No entanto, esse recurso já pode estar comprometido. Isso porque o valor pode ser destinado para pagamentos de dívidas com bancos nacionais e internacionais, que somam R$ 1,2 bilhão. No dia 28 de maio, o Governo Federal sancionou a lei que criou um plano de socorro financeiro a estados e municípios. No entanto, vetou a suspensão do pagamento dessas dívidas com bancos. Depois de saber do veto, o Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda (Comsefaz), que reúne os secretários de todos os Estados, enviou carta ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, pedindo a retirada do veto.

“Nós não vamos deixar de pagar as dívidas. Nós queremos que seja suspenso o pagamento este ano. E nós iremos pagar a partir de 2021 com valor corrigido. Se não for suspenso, o recurso que a gente receber, de pouco mais de R$ 1 bilhão, vai ser praticamente para pagar as dívidas”, explicou Padilha, que aguarda uma resposta da Câmara e do Senado até a próxima quinta-feira.

Veja também

Assaí abre mais de 300 vagas com inauguração de nova loja no Recife
Blog dos Concursos

Assaí abre mais de 300 vagas com inauguração de nova loja no Recife

Fiat apresenta versão elétrica de seu principal modelo, o 500e
FMotors

Fiat apresenta versão elétrica de seu principal modelo, o 500e