Negócios

iFood destina R$ 2 milhões a programas de educação que priorizam entregadores

Os programas priorizam entregadores e seus familiares e trabalhadores dos mais de 200 mil restaurantes cadastrados na plataforma

iFood investiu em ações de responsabilidade social, destinando R$ 100 milhões em apoio aos entregadoresiFood investiu em ações de responsabilidade social, destinando R$ 100 milhões em apoio aos entregadores - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O iFood anunciou hoje compromisso de impactar pelo menos 10 milhões de pessoas com oportunidades de capacitação e formação nos próximos cinco anos. Com investimento inicial de R$ 2 milhões, os programas priorizam entregadores e seus familiares e trabalhadores dos mais de 200 mil restaurantes cadastrados na plataforma.

As ações incluem formação de profissionais em tecnologia e empreendedorismo e incentivo à tecnologia na educação, impactando cinco milhões de estudantes e professores da rede pública.

"No iFood, erramos, aprendemos e corrigimos rapidamente para chegar na melhor solução com inovação e tecnologia", afirma Gustavo Vitti, vice-presidente de Pessoas e Soluções Sustentáveis.

Em 2020, com a profusão de entregas via delivery em função do distanciamento social, a empresa enfrentou manifestações de entregadores, que reivindicavam melhores condições de trabalho e reconhecimento de vínculo empregatício.

O iFood investiu em ações de responsabilidade social, destinando R$ 100 milhões em apoio aos entregadores, e doou mais de quatro milhões de itens de proteção.

Vitti aponta que a empresa também se tornou laboratório para soluções disruptivas para a educação. "Já rodamos diversos projetos piloto e começamos a escalar aqueles que apresentaram mais impacto. Sabemos que há muito a ser feito, mas estamos animados com os resultados iniciais", comenta.

Com o déficit esperado de quase 300 mil profissionais de tecnologia no Brasil, segundo pesquisa realizada pela Brasscom - Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação em 2020, a empresa vai oferecer oportunidades de formação em tecnologia com foco em empregabilidade para 25 mil pessoas de comunidades vulneráveis pelo país.

"Acreditamos que a mesma inovação e tecnologia que guiam nosso negócio também será propulsor para gerar impactos em grande escala, oferecendo oportunidades principalmente para grupos minorizados", afirma Vitti.

O programa do iFood conta com parceria de seis organizações sociais e empresas de educação, que apoiarão no desenvolvimento de habilidades como inteligência artificial e programação nas linguagens Python, Java, JS, React, Kotlin, Android e iOS.

A seleção dos candidatos nas comunidades tem apoio do Instituto Proa, que também será parceiro nas ações de capacitação. Até 2023, a meta é impactar 400 mil jovens do ensino médio da rede pública, propiciando acesso ao primeiro emprego. Um piloto foi conduzido em São Paulo e será escalado gradualmente para todo o país.

No pilar de incentivo ao ensino digital, o iFood se aliou à Fundação 1 Bi, do Grupo Movile, para desenvolver ferramenta gratuita de aprendizagem via Whatsapp, o Aprendizap. Estudantes e professores terão acesso a conteúdo desenvolvido por especialistas.

No pilar de formação, a Resilia vem conduzindo programa de formação em ciência de dados, com possibilidade de contratação pelo iFood. A Reprograma é outro parceiro que oferece, a partir de março, cursos de programação para mulheres cis e trans e pretende formar 400 profissionais em dois anos.

Gustavo Vitti reforça que a meta do iFood é de impacto, não de investimento. "Até agora investimos mais de dois milhões de reais e estamos comprometidos em investir o que for necessário para cumprir essas metas".

Veja também

Fontes renováveis na matriz energética deve aumentar em 2022, diz MME
energia

Fontes renováveis na matriz energética deve aumentar em 2022, diz MME

Aposta de Jaboatão acerta cinco dezenas e leva quase R$ 56 mil quina da Mega-Sena
Loterias

Aposta de Jaboatão acerta cinco dezenas e leva quase R$ 56 mil quina da Mega-Sena