Importações crescem e diminui saldo da balança comercial

Com o resultado de março, a balança comercial acumula superávit de US$ 13,952 bilhões nos três primeiros meses de 2018, valor 3,1% inferior ao do mesmo período do ano passado. Apesar da retração, o indicador acumula o segundo melhor resultado da história,

Importação Importação  - Foto: Pixabay

O crescimento das importações, decorrente da recuperação da economia, reduziu o saldo da balança comercial em março. Segundo dados divulgados há pouco pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), o país exportou US$ 6,281 bilhões a mais do que importou no mês passado, queda de 12% em relação ao resultado positivo de US$ 7,136 bilhões em março de 2017.

Com o resultado de março, a balança comercial – diferença entre exportações e importações – acumula superávit de US$ 13,952 bilhões nos três primeiros meses de 2018, valor 3,1% inferior ao do mesmo período do ano passado. Apesar da retração, o indicador acumula o segundo melhor resultado da história, tanto para meses de março quanto para o primeiro trimestre.

Leia também:
Economia deve crescer 2,6% este ano, diz projeção do BC
Consumo de importados cresce 17% após três anos de queda, diz CNI

No mês passado, as exportações somaram US$ 20,089 bilhões, alta de 9,6% em relação a março de 2017 pelo critério da média diária. O destaque foram as vendas de semimanufaturados, que cresceram 16,8% sobre o mesmo mês do ano passado, graças às vendas de zinco bruto (alta de 95,5%), celulose (+92,1%) e ligas de ferro (48,3%).

As exportações de produtos básicos aumentaram 8,4% na mesma comparação, impulsionadas pelos embarques de milho em grão (168,5%), fumo em folhas (127,2%) e petróleo bruto (41,7%). As vendas de produtos manufaturados subiram 8,3%, com destaque para óleos combustíveis (+149,7%), suco de laranja não congelado (+120,2%) e tubos de ferro fundido (+99,4%).

As importações somaram US$ 13,809 bilhões, com alta de 16,9% em relação a março do ano passado pelo critério da média diária. As compras de combustíveis e lubrificantes cresceram 46,5% sobre o mesmo mês do ano passado. As importações de bens de capital (máquinas e equipamentos usados na produção) aumentaram 20,5%. As compras de bens de consumo subiram 16,4%; e as compras de bens intermediários, 12,2% na mesma comparação.

Em 2017, a balança comercial fechou o ano com superávit recorde de US$ 67 bilhões, beneficiado pela supersafra e pela valorização das commodities (bens primários com cotação internacional). Para este ano, o Mdic projeta superávit menor, em torno de US$ 50 bilhões, por causa da estabilização do preço dos bens primários e da recuperação da economia, que impulsiona as importações.

Veja também

237 mil trabalhadores com salário reduzido têm atraso em benefício do governo
economia

237 mil trabalhadores com salário reduzido têm atraso em benefício do governo

Agências do INSS não abrem nesta quarta-feira (28)
inss

Agências do INSS não abrem nesta quarta-feira (28)