Economia

Impostos consumiram 153 dias de trabalho

O ano passado foi apontado pela ACSP como o que mais exigiu dos trabalhadores em termos de tributos

Deputado Professor Paulo Dutra (PSB)Deputado Professor Paulo Dutra (PSB) - Foto: Divulgação / Alepe

Os brasileiros trabalharam 153 dias em 2016 apenas para pagar impos­­­­­­tos. Somente depois de 1º de junho é que os salários pararam de alimentar os cofres públicos. Foi, portanto, o ano que mais exigiu do traba­­­lhador em termos de tributos. Mesmo assim, o total arre­­­­ca­­­dado pelo Governo Fede­­­­­ral não deve apresentar um crescimento forte. De acordo com a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), pela primeira vez em anos, o montante deve se equiparar ao do ano anterior. E isto é reflexo da crise econômica, que derru­­­­­bou o consumo e a produção, reduzindo também o volume da arrecadação.

“Chegamos, pela primeira vez, a R$ 2 trilhões em 2015. E repetimos o valor em 2016. Será a primeira vez, em muitos anos, que a arrecadação deve se igualar ou até cair em termos reais. Ela sempre crescia por conta da inflação, do crescimento da economia ou de aumentos de impostos. Mas o ano passado foi de atividade econômica muito fraca.

A indústria, que é o principal gerador de impostos, por exemplo, teve um desempenho muito negativo, fazendo com que a arrecadação ficasse no nível da do ano passado”, explicou o economista da ACSP Marcel Solineu. Ele ainda diz que a queda provocada pela crise econômi­­­­­­ca foi tão grande que o montante só vai se equiparar ao de 2015 por conta da inflação e da repatriação. De um lado, a inflação alta aumentou a arrecadação porque elevou os preços dos serviços e bens de consumo. Do outro, a repatriação gerou um bônus de R$ 46,8 bilhões aos cofres públicos.
Mesmo assim, os números ainda assustam. De acordo com a (ACSP), para chegar aos R$ 2 trilhões na hora da virada, o Brasil arrecadou quase R$ 12 bilhões por dia. Isso significa que os contribuintes destinaram 41,8% do seu rendimento médio apenas para o pagamento de impostos, segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT). “A carga tributária é muito alta e atua fortemente sobre a renda e o consumo do trabalhador”, afirma o diretor regional do IBPT Alexandre Fiorot, dizendo que isto transforma os impostos em um fator limitador da economia brasileira. Ele explica que a maior parte dos tributos brasileiros incide sobre a renda do contribuinte, como o Imposto de Renda, ou sobre bens e serviços, como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

 E isso deixa os trabalhadores com menos dinheiro para consumir e os produtos ainda mais caros. “Nisso, o crescimento da economia fica limitado. Afinal, o cidadão consome menos quando sua renda é fortemente tributada e a carga sobre os bens é alta. Com isso, o atacado e o varejo vendem menos e a indústria produz menos”, explicou.
Fiorot ainda lamenta que os meios para reduzir esta carga fogem do alcance dos brasileiros. “Para os impostos caírem, o poder público teria que reduzir seus gastos ou fazer uma reforma tributária. E este é um tema que vai na contramão do que o Governo quer, porque o Governo quer aumentar a arrecadação. Então, não deve entrar na agenda da União do jeito que deveria em 2017”, acredita o representante do IBPT, dizendo que é difícil prever o tamanho da carga tributária neste novo ano. Ele explica que, de um lado, não deve haver aumento em consequência das atividades produtivas já que a economia não deve se recuperar como o esperado. Do outro, os estados podem cortar benefícios fiscais e aumentar certos impostos para aumentar a arrecadação para tentar sair da crise fiscal em que se encontram.

 

Veja também

Secretária de Energia dos EUA descarta importação de petróleo venezuelano
Economia

Secretária de Energia dos EUA descarta importação de petróleo venezuelano

Bolsonaro se reunirá con Elon Musk em São Paulo
Encontro

Bolsonaro se reunirá con Elon Musk em São Paulo