Incentivo à construção de novas termelétricas é vetado

O artigo 20 da Medida Provisória 735 (MP 735) era o ponto que possibilitaria incentivos à construção de novas termelétricas

Gleisi Hoffmann se reúne com lideranças do PT-PEGleisi Hoffmann se reúne com lideranças do PT-PE - Foto: Paullo Allmeida

O possível incentivo financeiro à utilização de carvão para produção de energia elétrica foi vetado pelo presidente Michel Temer. O veto foi divulgado nesta sexta (18) no Diário Oficial da União (DOU). O artigo 20 da Medida Provisória 735 (MP 735) era o ponto que possibilitaria incentivos à construção de novas termelétricas.

O artigo foi vetado porque estimularia "matriz energética que vai de encontro a acordos internacionais dos quais o país é signatário", afirma trecho do DOU referindo-se, por exemplo, ao Acordo de Paris. Outras razões para o veto foram a falta de exigência de contrapartidas relacionadas à eficiência e qualidade, e possíveis riscos fiscais e de elevação de tarifa de energia.

Segundo o DOU, os ministérios do Meio Ambiente; do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; e o da Fazenda se manifestaram favoráveis ao veto.
O veto era esperado pois já havia sido anunciado durante a COP22, Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, de acordo com Márcio Astrini, coordenador de políticas públicas do Greenpeace.

Durante a COP22, em Marrakech, a possibilidade de aprovação da MP 735 sem o veto ao artigo 20 causou movimentação e reação de ONGs.

Mesmo que o veto fosse esperado, a pressão era importante, segundo Astrini. "Político é igual feijão: para ficar bom, precisa ser tratado com pressão", diz.
Conforme apurado pela reportagem, o barulho internacional levou o Itamaraty a recomendar que o governo vetasse o artigo ainda durante a COP22.
A Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas terminou nesta sexta (18).

Veja também

Receita abre nesta sexta-feira (23) consulta ao lote residual de restituição do IRPF
IRPF

Receita abre nesta sexta-feira (23) consulta ao lote residual de restituição do IRPF

Bolsonaro afirma que não haverá aumento de imposto após pandemia
Impostos

Bolsonaro afirma que não haverá aumento de imposto após pandemia