Incentivo à construção de novas termelétricas é vetado

O artigo 20 da Medida Provisória 735 (MP 735) era o ponto que possibilitaria incentivos à construção de novas termelétricas

Gleisi Hoffmann se reúne com lideranças do PT-PEGleisi Hoffmann se reúne com lideranças do PT-PE - Foto: Paullo Allmeida

O possível incentivo financeiro à utilização de carvão para produção de energia elétrica foi vetado pelo presidente Michel Temer. O veto foi divulgado nesta sexta (18) no Diário Oficial da União (DOU). O artigo 20 da Medida Provisória 735 (MP 735) era o ponto que possibilitaria incentivos à construção de novas termelétricas.

O artigo foi vetado porque estimularia "matriz energética que vai de encontro a acordos internacionais dos quais o país é signatário", afirma trecho do DOU referindo-se, por exemplo, ao Acordo de Paris. Outras razões para o veto foram a falta de exigência de contrapartidas relacionadas à eficiência e qualidade, e possíveis riscos fiscais e de elevação de tarifa de energia.

Segundo o DOU, os ministérios do Meio Ambiente; do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; e o da Fazenda se manifestaram favoráveis ao veto.
O veto era esperado pois já havia sido anunciado durante a COP22, Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, de acordo com Márcio Astrini, coordenador de políticas públicas do Greenpeace.

Durante a COP22, em Marrakech, a possibilidade de aprovação da MP 735 sem o veto ao artigo 20 causou movimentação e reação de ONGs.

Mesmo que o veto fosse esperado, a pressão era importante, segundo Astrini. "Político é igual feijão: para ficar bom, precisa ser tratado com pressão", diz.
Conforme apurado pela reportagem, o barulho internacional levou o Itamaraty a recomendar que o governo vetasse o artigo ainda durante a COP22.
A Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas terminou nesta sexta (18).

Veja também

Investidores buscam oportunidades no Brasil com pandemia e juro baixo
Economia

Investidores buscam oportunidades no Brasil com pandemia e juro baixo

Empresas boicotam publicidade no Facebook por discurso de ódio
Facebook

Empresas boicotam publicidade no Facebook por discurso de ódio