Incerteza da economia tem recorde histórico pelo segundo mês, diz FGV

Resultado surge após alta de 52 pontos entre fevereiro e março

Setor eletroeletrônico já lida com a falta de peças importadas da ChinaSetor eletroeletrônico já lida com a falta de peças importadas da China - Foto: Arquivo/Agência Brasil

O Indicador de Incerteza da Economia, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 43,4 pontos de março para abril deste ano. O resultado veio depois de uma alta de 52 pontos na passagem de fevereiro para março. Com isso, atingiu 210,5 pontos, seu recorde histórico pelo segundo mês consecutivo e ficou 73,7 pontos acima do recorde antes da pandemia da Covid-19 (136,8 pontos, em setembro de 2015). As informações foram divulgadas nesta quinta-feira, no Rio de Janeiro, pela FGV.

Leia também:
Turismo no Brasil deve ter queda de 38,9% nos ganhos, aponta FGV
Empresas brasileiras já encomendaram 30 mi de testes de Covid-19 para retomar atividades

Em abril, os dois componentes do indicador subiram fortemente. O componente de mídia, baseado na frequência de notícias com menção à incerteza, aumentou 34,3 pontos e foi para 195,3 pontos, maior nível da série histórica.

O componente de expectativa, construído a partir da média dos coeficientes de variação das previsões dos analistas econômicos, subiu 62,3 pontos, para 225,8 pontos, segundo maior nível da série ficando atrás apenas de outubro de 2002 (257,5 pontos).

“O segundo trimestre de 2020 se inicia com a incerteza econômica batendo novo recorde, sob influência da pandemia da covid-19 e seu impacto sem precedentes na atividade econômica e nas finanças de famílias e empresas”, disse a pesquisadora da FGV Anna Carolina Gouveia.

Veja também

Equipe de Guedes planeja corte na pasta de Marinho para atender ao Congresso
Economia

Equipe de Guedes planeja corte na pasta de Marinho para atender ao Congresso

Caixa sorteia neste sábado (17) R$ 40 milhões da Mega-Sena acumulada
Loteria

Caixa sorteia hoje R$ 40 milhões da Mega-Sena acumulada