Indicadores de mercado de trabalho da FGV apresentam melhora em julho

Indicadores de mercado de trabalho da Fundação Getulio Vargas (FGV) apresentaram melhora na passagem de junho para julho deste ano

Vagas de empregoVagas de emprego - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Os dois indicadores de mercado de trabalho da Fundação Getulio Vargas (FGV) apresentaram melhora na passagem de junho para julho deste ano. O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp), que busca antecipar tendências do setor, com base em entrevistas com consumidores e com empresários da indústria e dos serviços, cresceu 0,4 ponto e chegou a 87 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos.

Segundo o economista da FGV Rodolpho Tobler, essa foi a segunda alta do indicador, algo que não ocorria desde o início de 2018. O Iaemp acumula alta de 1,2 ponto no bimestre. Apesar disso, os ganhos ainda são tímidos em relação às perdas de 15,3 pontos acumuladas de janeiro a maio.

Leia também:
Congresso volta ao trabalho com foco na economia e recados a Bolsonaro
Banco Central indica novo corte na taxa Selic
Cresce trabalho com carteira assinada no 2º trimestre, aponta IBGE

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), que tenta refletir a opinião dos consumidores sobre o mercado de trabalho atual, teve queda de 2 pontos e chegou a 92,6 pontos, na escala de zero a 200 pontos.

Diferentemente do Iaemp, no entanto, a queda do ICD é considerada positiva, já que significa que os consumidores estão considerando que há menos desemprego. De acordo com Tobler, apesar disso, o indicador continua em nível elevado, assim como a taxa de desemprego do país. Para ele, ainda é preciso cautela, mas “é boa notícia que o indicador volte a sinalizar uma tendência negativa para o desemprego”.

Veja também

Frustrado com privatizações, Guedes prevê venda de estatais em 21
privatizações

Frustrado com privatizações, Guedes prevê venda de estatais em 21

Inflação pelo IPC-S acelera em sete capitais em novembro
economia

Inflação pelo IPC-S acelera em sete capitais em novembro