Economia

Índice de incerteza da economia volta a aumentar em dezembro

Índice passou de 126,4 pontos em novembro para 136,4 em dezembro, aponta FGV

Vagas de empregoVagas de emprego - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) aumentou em dezembro pelo segundo mês seguido. O índice passou de 126,4 pontos em novembro para 136,4 em dezembro. As informações são da Agência Brasil.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (28) pelo Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas). A alta de 10 pontos levou a que o indicador atingisse o seu maior nível desde julho do ano passado.

Para o economista da FGV Pedro Costa Ferreira, a reversão da tendência de queda observada entre julho e outubro confirma "o retorno a um período de elevada incerteza econômica no Brasil".

Segundo ele, no entanto, apesar de o aumento de 10 pontos ser "expressivo" para um mês, "é necessário ressalvar a alta volatilidade deste indicador, que vem sendo bastante influenciado pelos acontecimentos políticos ao longo de todo ano".

Influência da mídia

Os dados divulgados pela FGV indicam que, em dezembro, o componente que mais contribuiu para a alta do Indicador de Incerteza da Economia no país, entre novembro e dezembro deste ano foi o Indicador de Incerteza da Economia Mídia (o IIE-Br Mídia).

Com contribuição de 8,7 pontos na composição do indicador brasil, o IIE-Br refletiu "o aumento expressivo no número de notícias com menção à incerteza em matérias sobre economia na imprensa brasileira".

Já o componente IIE-Br Expectativa contribuiu com apenas 1,3 ponto para o aumento do indicador geral em dezembro, enquanto o IIE-Br Mercado manteve-se estável no mês, de um mês para o outro.

Veja também

Estados veem perdas de até R$ 83,5 bilhões com teto do ICMS e querem adiar regra para 2024
Arrecadação

Estados veem perdas de até R$ 83,5 bilhões com teto do ICMS e querem adiar regra para 2024

Por que o 'celeiro do Cone Sul' não é a solução para a escassez mundial de trigo?
"celeiros do mundo"

Por que o 'celeiro do Cone Sul' não é a solução para a escassez mundial de trigo?