Índice de Preços ao Consumidor tem maior alta no Rio de Janeiro

Capital teve a maior variação percentual entre um período e outro

Câmara Municipal do RecifeCâmara Municipal do Recife - Foto: Reprodução

A inflação da última semana do ano, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), fechou os últimos dias de 2016 com variação de 0,33%, alta de 0,09 ponto percentual acima dos 0,24% da semana imediatamente anterior, para o conjunto das sete capitais do país envolvidas na pesquisa – Rio, Recife, Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Salvador e Porto Alegre.

Os dados foram divulgados nesta terça (3) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV) e indicam que o Rio de Janeiro foi a capital com a maior variação percentual entre um período e outro. O Rio fechou com variação de 0,28 ponto percentuais, ao passar de 0,27% para 0,55%.

Os dados indicam que quatro das sete capitais pesquisadas registraram crescimento da inflação medida pelo IPC-S, entre um período e outro, com a maior alta sendo verificada mais uma vez em Recife, onde o IPC-S passou de 0,72% para 0,74%.

Preços sobem em Brasília

Com resultados maiores do que a média nacional, entre um período, aparece, ainda, Brasília, que, ao variar 0,6%, registrou o segundo maior IPC-S da última semana do ano.

Embora tenha acusado alta entre a terceira e a quarta quadrissemana, Belo Horizonte fechou com inflação de 0,1%, depois de uma deflação de 0,01% na semana imediatamente anterior. Porto Alegre, cuja taxa foi de 0,09, reverteu uma deflação (inflação negativa) de 0,1% na terceira quadrissemana de dezembro.

Em São Paulo o IPC-S passou de 0,29% para 0,27%, registrando também uma variação menor de preços entre os dois períodos. Em Salvador, o índice passou de 0,21% para 0,19%.

Veja também

Governo avalia criar regime especial de compensação de banco de horas durante pandemia
Mercado de Trabalho

Governo avalia criar regime especial de compensação de banco de horas durante pandemia

Mercado externo influencia dólar, que fecha o dia estável
Economia

Mercado externo influencia dólar, que fecha o dia estável