Indústria brasileira cresce 0,8% de março para abril

Depois de queda de 0,1% em março, indústria cresceu 0,8% em abril e acumula alta de 4,5% no ano

A produção industrial registrou maiores quedas em Goiás, Paraná, São Paulo e Minas Gerais A produção industrial registrou maiores quedas em Goiás, Paraná, São Paulo e Minas Gerais  - Foto: Arquivo / Agência Brasil

A produção industrial brasileira teve um crescimento de 0,8% de março para abril deste ano, segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), divulgada nesta terça-feira (5), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta veio depois de uma queda de 0,1% em março.

Na comparação com abril de 2017, a indústria cresceu 8,9%, sua 12ª alta consecutiva e a mais acentuada desde abril de 2013 (9,8%). A produção industrial também acumula altas de 4,5% no ano e de 3,9% em 12 meses. No acumulado de 12 meses, a indústria teve o maior desempenho desde maio de 2011 (4,5%).

A passagem de março para abril, as quatro grandes categorias econômicas tiveram alta, com destaque para os bens de consumo duráveis (2,8%). Os bens de capital, isto é, as máquinas e equipamentos, tiveram crescimento de 1,4%.

Leia também:
Índice de confiança da indústria recua em maio pela segunda vez
Petrobras aumenta gás para indústrias pela segunda vez em oito dias

Bens de consumo

Os bens intermediários, isto é, os insumos industrializados do setor produtivo, anotaram aumento de 1%. Os bens de consumo semi e não duráveis avançaram 0,5%.

Metade dos 26 ramos industriais pesquisados teve alta na produção, entre eles, os segmentos de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (5,2%), veículos automotores, reboques e carrocerias (4,7%), produtos alimentícios (1,4%) e outros equipamentos de transporte (14%).

Por outro lado, onze ramos reduziram a produção em abril. Os principais responsáveis por frear o crescimento da indústria foram os setores de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-7,3%), máquinas e equipamentos (-3,1%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-4%) e produtos de borracha e de material plástico (-2%).

Veja também

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco desta quinta-feira (6)
Folha de Pernambuco

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco desta quinta-feira (6)

Bolsonaro veta prorrogação de declaração de Imposto de Renda até 31 de julho
IR

Bolsonaro veta prorrogação de declaração de IR até 31 de julho