BEBIDAS

Indústria de bebidas aposta no retornável

A embalagem já está em 70% das lojas que a Ambev atende, mas a integração completa dos pontos de vendas requer investimento.

Djon ÁfricaDjon África - Foto: YouTube/Reprodução

 

SÃO PAULO (Folhapress) - Com discurso de sustentabilidade e apelo retrô, a indústria de bebidas volta ao passado das garrafas de vidro retornáveis para combater os estragos que a recessão provocou em sua demanda. Ao consumidor elas proporcionam redução de até 30% no preço da recompra, uma economia que pode compensar a perturbação de guardá-las vazias em casa até a próxima visita ao supermercado, em vez de descartá-las no lixo imediatamente.

Para o fabricante é a garantia de que o cliente repelido pela crise repetirá a compra, uma vez que tem o estímulo de devolver os vasilhames para obter desconto, estratégia para fidelizar o consumidor. Para a Ambev, que teve queda de 10% no volume de vendas de cervejas no primeiro trimestre no País, elevar a venda em garrafas retornáveis é hoje uma prioridade.
“Em janeiro de 2015, o retornável representava 4% das vendas totais de cerveja nos supermercados. Ao fim de 2015, subiu para 14,4%”, diz Bernardo Novick, vice-presidente da companhia. Hoje, esse percentual alcança 26%. A embalagem já está em 70% das lojas que a Ambev atende, mas a integração completa dos pontos de vendas requer investimento.

Reintroduzir um hábito antigo exige adaptação do consumidor, que perdeu o costume de guardar vasilhames usados, e ajustes no ponto de venda, que já não têm mais a estrutura para receber, higienizar e armazenar o material até a devolução à indústria, segundo Marcelo Falcão, diretor da Premier Pack, que fabrica embalagens de vidro.

Para isso, a Ambev investiu na logística reversa. Está instalando máquinas coletoras nos supermercados, onde o cliente deve inserir seus vasilhames e retirar um tíquete que indica o número correspondente para trocar pelo desconto. Já foram colocadas 800 máquinas, e a meta é atingir 1.200 no fim do ano.

 

Veja também

Estado com poucos cadastros sociais teve menos auxílio
Auxílio Emergencial

Estado com poucos cadastros sociais teve menos auxílio

Brasil pode ficar impedido de refinanciar dívida se não fizer reformas, diz governo
Economia

Brasil pode ficar impedido de refinanciar dívida se não fizer reformas, diz governo