Indústria de móveis e eletrodomésticos espera crescer até 20% com novo crédito imobiliário

Setor moveleiro vê com otimismo mudanças no crédito imobiliário e estima um crescimento de 20% no faturamento das indústrias no médio e longo prazo

Projeto comprador da AbimóvelProjeto comprador da Abimóvel - Foto: Divulgação/Abimóvel

A redução dos juros dos financiamentos imobiliários anunciada pela Caixa Econômica Federal nesta terça-feira (20) pode significar a retomada de crescimento de dois setores atrelados a construção civil: o de móveis e o de eletrodomésticos.

Com queda de consumo de 1,8% em 2019, o setor moveleiro vê com otimismo as mudanças no crédito imobiliário e estima um crescimento de até 20% no faturamento das indústrias no médio e longo prazo.

Cerca de 25% dos resultados do setor, que faturou R$ 66,5 bilhões no Brasil em 2018, vem de compras para novas residências, segundo a Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário). "Podemos chegar progressivamente aos R$ 85 bilhões de faturamento anual", estima Maristela Longhi, presidente da Abimóvel.



Leia também:
Bancos afirmam estudar crédito imobiliário pela inflação proposto pela Caixa
Caixa lança crédito imobiliário corrigido pela inflação; entenda como vai funcionar

O setor tenta sair da estagnação do consumo, provocada pela desaceleração da economia, explorando mercados de países como Estados Unidos, Peru, Chile e Uruguai. No entanto, diz Maristela, este é um mercado incipiente comparado ao mercado interno.

"De 19 mil empresas do setor, somente umas 300 exportam. O consumo interno é muito importante".

No mesmo embalo, o setor de eletrodomésticos enxerga a possibilidade de ganhar fôlego com o novo formato de financiamento imobiliário.

A estimativa é que as vendas de produtos das linhas branca (geladeira, máquina de lavar e fogão), marrom (televisão, vídeo e som) e de eletroportáteis (liquidificador, sanduicheira, batedeira) cresçam 10%, diz o presidente-executivo da Eletros (Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos), José Jorge do Nascimento Junior.

"Qualquer incremento na construção civil residencial é um incremento por consequência à indústria de eletrodomésticos, principalmente para as linhas branca, marrom e portáteis. São esses também os primeiros itens que os consumidores compram: geladeira, máquina de lavar roupa, televisão, micro-ondas, liquidificador, sanduicheiras", afirma o executivo.

O impacto, porém, não será imediato; caso o novo financiamento imobiliário crescer, os ganhos para o setor virão em uma segunda etapa, quando os financiamentos, de fato, forem consolidados. "Eu dependo do sucesso e da adesão da Caixa", diz Junior.

O otimismo da Eletros é justificado pela queda de faturamento e estagnação ao longo dos anos, principalmente quando o setor de construção civil foi severamente afetado por escândalos e pela desaceleração econômica por qual o país passa.

"Chegamos no pico de 2014 e depois fomos ao fundo do poço. Hoje estamos com números de 2010. Precisamos retomar o crescimento. A gente precisa do consumo", diz o executivo.

Em 2018, foram vendidas 6,7 milhões de unidades da linha branca. Comparado com o primeiro semestre, o segmento teve uma alta de 13%. Apesar da curva positiva o setor acredita que ainda é cedo para falar em recuperação.

Financiamento imobiliário pela inflação teria sido mais caro nos últimos 15 anos; compare

Mesmo com um juro fixo de 3% ao ano mais a inflação, o novo modelo de financiamento imobiliário da Caixa teria, ao longo dos últimos 15 anos, custado mais ao consumidor que um crédito tradicional com a taxa de 8,5% mais a TR (taxa referencial).

É o que mostra a simulação feita por Marcelo Prata, fundador da Resale, plataforma que vende imóveis retomados pelos bancos.

A Caixa afirmou que o financiamento pelo novo modelo terá custo de 2,95% a 4,95% ao ano, mais a inflação. A correção pela inflação será mensal.

Segundo os cálculos de Prata, um consumidor que tivesse contratado um financiamento de R$ 400 mil teria pago ao fim de 15 anos R$ 767 mil. No sistema atual, no mesmo prazo o custo seria de R$ 737 mil.

Se há 15 anos a Caixa tivesse oferecido o novo modelo de contrato, o consumidor teria desembolsado R$ 30 mil a mais pelo mesmo financiamento. Parte da explicação é por que a inflação medida pelo IPCA oscila mais bruscamente que a TR.

A conta considera uma das taxas prefixadas cogitadas pela Caixa para o novo modelo de crédito imobiliário. Se a taxa for a 5%, a diferença ao consumidor pode aumentar.

O novo sistema está baseado, porém, na expectativa de que a inflação brasileira poderá ficar controlada daqui para frente. Isso ocorreria porque o Brasil ainda enfrenta dificuldades de se recuperar da crise econômica, e as pessoas estão sem dinheiro para consumir. A recuperação viria em um cenário pós aprovação de reformas, que ajudariam a controlar os gastos públicos e a manter a inflação controlada.

Neste ano, a previsão de economistas é que o IPCA termine o ano em 3,71%. Ao fim de 2020, a inflação deve estar em 3,90%. A longo prazo, a meta da inflação foi reduzida para 3,75% ao ano.

Ao lançar o novo financiamento, o objetivo do banco público é poder reempacotar os recebíveis como títulos de dívida, que serão vendidos no mercado a investidores.

A remuneração do investimento se assemelharia aos títulos públicos Tesouro IPCA+, que rendem uma taxa fixa e mais a variação da inflação.

Veja também

União Europeia quer que Mercosul assine compromisso com metas ambientais
economia

União Europeia quer que Mercosul assine compromisso com metas ambientais

Embaixador do Brasil nos EUA diz que decisão sobre 5G só sairá ano que vem
economia

Embaixador do Brasil nos EUA diz que decisão sobre 5G só sairá ano que vem