economia

Inflação da indústria desacelera em setembro, mas ainda acumula alta de 30,59%

Com o real desvalorizado, o preço das commodities avança, pressionando empresas que dependem de mercadorias importadas

IndústriaIndústria - Foto: Ministério da Infraestrutura

A inflação de mercadorias usadas na indústria desacelerou para 0,40% em setembro, mostram dados do IPP (Índice de Preços ao Produtor) divulgados nesta quarta-feira (27).

Das 24 atividades pesquisadas, 20 tiveram variação positiva nos preços, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), responsável pelo levantamento. Em agosto, quando o IPP subiu 1,89%, as 24 haviam registrado alta.

Apesar da perda de fôlego em setembro, o indicador ainda acumula disparada de 30,59% em 12 meses. Em período menor, de janeiro a setembro, a alta é de 24,08%.


O IPP mede a variação dos preços de produtos na "porta de entrada das fábricas", sem efeito de impostos e fretes. Ou seja, capta os valores de mercadorias usadas nas linhas de produção.

Durante a pandemia, parte dos insumos industriais ficou mais cara em razão do dólar mais alto. Com o real desvalorizado, o preço das commodities avança, pressionando empresas que dependem de mercadorias importadas.

A piora da crise hídrica significa uma ameaça adicional para a indústria. É que a escassez de chuva força o acionamento de usinas térmicas, o que eleva os custos de geração e as tarifas da energia elétrica.

Em uma tentativa de conter a inflação, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) passou a aumentar a taxa básica de juros, a Selic. Os juros mais altos, além de afetarem o consumo, dificultam investimentos produtivos de indústrias.

Diante desse cenário, há grande expectativa com a nova reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do BC). O encontro do colegiado começou na terça (26) e termina nesta quarta-feira (27).

Várias instituições financeiras, entre elas bancos estrangeiros, passaram a ver uma alta de 1,5 ponto percentual na Selic já nesta reunião. Com essa elevação, superior à esperada inicialmente, a taxa pularia de 6,25% para 7,75% ao ano.

Até um avanço maior nesta semana, de 2 pontos percentuais, não é descartado por parte dos analistas.

Veja também

Ministro descarta risco de apagão no país por crise hídricaCrise Hídrica

Ministro descarta risco de apagão no país por crise hídrica

Wall Street fecha em queda, puxada por tomadas de benefícios e FedBolsa de valores

Wall Street fecha em queda, puxada por tomadas de benefícios e Fed