IGP-M

Inflação do aluguel aumenta

Aumento do IGP-M não deve afetar o mercado de imóveis local

ImóveisImóveis - Foto: Cristiana dias

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), usado no reajuste de aluguéis, registrou alta de 6,65% no acumulado de 12 meses até janeiro, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em janeiro, a alta foi de 0,64%, ante 0,54% em dezembro. Em janeiro de 2016, a variação foi de 1,14%.

O resultado do IGP-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC, que faz parte do IGP-M) registrou, em janeiro, taxa de variação de 0,29%. No mês anterior, este índice variou 0,36%. O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços registrou variação de 0,30%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,15%. O índice que representa o custo da mão de obra registrou taxa de 0,28%. No mês anterior, este grupo variou 0,55%.

Aluguel

O resultado do IGP-M é usado nos contratos de aluguel para cálculo do reajuste anual, de acordo com o presidente do Sindicato da Habitação (Secovi-PE), Elísio Junior. “Esse aumento é muito normal”, afirmou.

Para o presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis do Estado de Pernambuco (Sindimóveis-PE), Paulo Santos, o aumento do IGP-M não deve afetar o mercado de imóveis local. “Como existem muitas ofertas, algumas opções se tornam mais baratas. No ano passado foi observado que os preços dos aluguéis na verdade caíram, devido ao momento de crise. Para não perder o locatário, muitos proprietários preferem manter os valores e ter seus empreendimentos ocupados, gerando alguma renda no final do mês”, comentou.

Veja também

INSS pede para servidores entrarem em grupo prioritário da vacinação
VACINAÇÃO CONTRA COVID-19

INSS pede para servidores entrarem em grupo prioritário

Presidente da Eletrobras troca empresa pela BR Distribuidora
Economia

Presidente da Eletrobras troca empresa pela BR Distribuidora