Inflação dos produtos mais consumidos no verão chega a 9,25%

Além do calor, os preços das frutas, por exemplo, subiram 14,99% devido ao impacto da estiagem prolongada

Além do calor, os preços das frutas, por exemplo, subiram 14,99% devido ao impacto da estiagem prolongadaAlém do calor, os preços das frutas, por exemplo, subiram 14,99% devido ao impacto da estiagem prolongada - Foto: Jedson Nobre

 

Depois de assustar os brasileiros batendo os 10,67%, a inflação cedeu e fechou 2016 em 6,29%, segundo o IPCA. A desaceleração, no entanto, não chegou aos produtos mais consumidos nesta época de calor. De acordo com pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), quando se fala de passagens aéreas, frutas, bebidas, protetor solar e ventilador, o índice que mede a variação de preços chega a 9,25%. É a chamada inflação do verão, que ainda pode crescer até o fim da estação.

Responsável pelo estudo, o economista André Bráz explica que os 9,25% equivalem à alta de preços registrada entre janeiro e dezembro de 2016, que não têm relação com a época do ano, mas ao início dos reajustes sazonais. As passagens aéreas, por exemplo, subiram durante o ano passado já que, ao virem suas vendas caírem por conta da crise, as companhias aéreas diminuíram a oferta de voos. E os bilhetes ainda receberam os reajustes típicos das épocas de alta procura, como as férias e os feriados, em dezembro. O item acumulou, portanto, uma elevação de 35,92%, o mais alto da pesquisa.

A inflação do verão não deixou imune nem quem desistiu de viajar. É que se refrescar também ficou mais caro. As frutas, por exemplo, subiram 14,99% devido ao impacto da estiagem prolongada na produção. Já os refrigerantes e a cerveja ficaram mais caros por conta do aumento de impostos. Foram altas de 10,88% e 9,35%, respectivamente. Também não escaparam do reajuste o suco de fruta (12,34%), o sorvete (8,76%) e o protetor solar (7,4%); muito menos os itens que costumam movimentar as lojas de eletrônicos nesta época do ano. Neste caso, no entanto, a inflação foi mais branda e ficou abaixo do índice oficial de 2016. Os ventiladores, por exemplo, subiram 5,96%. Já as geladeiras ficaram 3,47% mais caras e os ares-condicionados, 3,13%.

Esses índices, no entanto, ainda podem aumentar, segundo Braz. O economista explica que os preços tendem a variar de acordo com a procura e a oferta no restante do verão, que segue até 20 de março. “Os 9,25% correspondem ao aumento acumulado nos últimos 12 meses, mas ainda pode haver o aumento associado à estação”, diz André. “Locais como os bares próximos da praia tendem a aumentar seus preços já que seu público tem uma disposição maior para pagar. Até porque, quem está de férias não faz conta todo dia para ver onde é mais barato”, completa o professor de economia da UFRPE Luiz Maia.

Quedas
Apesar da tendência de alta sazonal, o trade turístico tem tentado deixar os preços estáveis para atrair o público nestas férias marcadas pela contenção de custos da crise, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Pernambuco - ABIH-PE. E a prova disso está na pesquisa da FGV. O estudo mostra que, apesar da alta nas passagens aéreas, as estadias de hotéis e as excursões de turismo ficaram 1,62% e 1,56% mais baratas, respectivamente. “As passagens obedecem a uma dinâmica internacional, mas os hotéis não. E, diante da recessão nacional, houve uma queda no fluxo de turistas. Foi preciso baixar os preços”, argumenta Maia.

 

Veja também

País tem saldo positivo no emprego formal em 2020, mas não recupera vagas perdidas na pandemia
Economia

País tem saldo positivo no emprego formal em 2020, mas não recupera vagas perdidas na pandemia

Atraso na análise do Orçamento põe em risco verba para educação
Fundeb

Atraso na análise do Orçamento põe em risco verba para educação