Informalidade no trabalho afeta 40% dos jovens latino-americanos

Segundo o economista-chefe para a América Latina da OCDE, a informalidade no mercado de trabalho é "uma armadilha duradoura"

Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) - Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Na América Latina, 40% dos jovens não fazem parte do setor formal da economia, percentual que chega a até 60% no caso das mulheres jovens, já que iniciam no trabalho de forma irregular e depois encontram sérias dificuldades para se incorporar ao mercado legal. A inormação é da Agência EFE.

Essa é uma das conclusões do relatório Perspectivas econômicas da América Latina 2017, apresentado nesta segunda-feira (29) na Casa da América em Madri, onde os maiores desafios são a informalidade no trabalho, as más perspectivas macroeconômicas e a falta de acesso a programas de capacitação.

Segundo o economista-chefe para a América Latina da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Angel Melguizo, a informalidade no mercado de trabalho é "uma armadilha duradoura".

Os jovens, de entre 15 a 29 anos, somam mais de 163 milhões na região, o que equivale à quarta parte da população, número que mostra que "os jovens são o futuro", segundo afirmou o diretor para a Europa do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), Guillermo Fernández del Soto.

O documento, elaborado pela OCDE com o apoio da CAF e da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), apresenta algumas medidas para "oferecer melhores oportunidades de inserção social e de trabalho para os jovens".

Melguizo propõe formar os jovens em empreendedorismo para evitar o desemprego já que, segundo afirma, "os jovens empreendedores atuais têm pouca rodagem e estão pouco conectados" entre si.

Segundo o relatório, os novos programas de capacitação devem olhar para o futuro com base em três perspectivas - "o emprego, a política e as cidades", setores que hoje em dia "estão desvinculados".

"Há muito o que ganhar empoderando os jovens. Se passarem do setor informal ao formal e começarem a trabalhar, isto aumentará de 3% a 4% o Produto Interno Bruto (PIB) médio da região", disse Melguizo

Veja também

Fretamento aéreo vive seu pior momento em Manaus
Amazonas

Fretamento aéreo vive seu pior momento em Manaus

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego
Economia

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego