Iniciativa do Itaú contra coronavírus vai processar 25 mil testes por dia

Centrais devem começar a funcionar em junho, nas cidades do Rio de Janeiro e Fortaleza, com cinco mil testes

Itau UnibancoItau Unibanco - Foto: Divulgação

A doação de R$ 1 bilhão feita pelo Itaú Unibanco em abril para criar o Todos pela Saúde, iniciativa de combate ao novo coronavírus no Brasil, vai ser usada para a criação de duas centrais de processamento de testes do tipo PCR para detectar a presença do Sars-Cov-2 na população.

Rio de Janeiro e Fortaleza vão receber os laboratórios que, quando chegarem à capacidade máxima, poderão dar o resultado de até 25 mil exames de biologia molecular por dia. As centrais funcionarão em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Existem dois tipos de testes para detectar a infecção pelo novo coronavírus. Os testes rápidos atestam a presença de anticorpos contra o vírus no sangue da pessoa e dão o resultado em poucos minutos. Mais precisos, os testes de biologia molecular (PCR) indicam a presença do vírus no corpo e podem dizer se a infecção está ainda na fase aguda. Esses testes, porém, levam mais tempo para fornecer o resultado, e o País tem dificuldade para processá-los.

As centrais devem começar a funcionar no início de junho, segundo Pedro Barbosa, presidente do Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), instituição ligada à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Inicialmente, os laboratórios darão conta de cinco mil testes por dia. Barbosa faz parte do grupo de médicos e especialistas em saúde que são responsáveis por decidir sobre a alocação do dinheiro.

Leia também:
Mercado financeiro prevê queda de 4,11% na economia este ano
Itaú Cultural disponibiliza dados sobre economia criativa no Brasil
Covid-19: Bradesco, Itaú e Santander comprarão 5 milhões de testes

O médico Paulo Chapchap, diretor-geral do Hospital Sírio-Libanês, lidera a equipe que ainda conta com Drauzio Varella, médico e colunista da Folha de S.Paulo, Sidney Klajner, presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, Gonzalo Vecina Neto, ex-presidente da Anvisa, Maurício Ceschin, ex-diretor-presidente da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), e o consultor do Conselho dos Secretários de Saúde (CONASS) Eugênio Vilaça Mendes.

A criação dos laboratórios foi divulgada em uma coletiva de imprensa realizada pela internet na manhã desta quarta-feira (13) para apresentar um balanço do primeiro mês do Todos pela Saúde. A doação inicial de R$ 1 bilhão feita pelo Itaú Unibanco fez com que mais de R$ 18 milhões fossem doados por outras empresas e pessoas físicas, contou Cláudia Politanski, vice-presidente da instituição financeira.

"O envolvimento de empresas e pessoas físicas de fora do banco tem nos surpreendido de forma muito positiva. As pessoas estão interessadas em contribuir", disse. Segundo Politanski, o principal desafio do projeto é fazer a coleta de dados nos hospitais para compor um painel de governança que ajuda na melhor destinação dos recursos. Com a pandemia, as equipes dos hospitais estão sobrecarregadas, e alimentar o sistema com as informações gera mais trabalho para os profissionais.

Para dar conta dessa demanda, o Todos pela Saúde contratou de mais de 70 pessoas que assumiram essa função em cerca de 120 hospitais de todos os estados do País e no Distrito Federal. A plataforma é atualizada diariamente. "Nós do banco não entendemos de medicina, mas entendemos de gestão, e sabemos que é impossível fazer boa gestão sem dados. Precisamos dessas informações para ajudar o governo em todas as instâncias", afirmou a executiva.

De acordo com Chapchap, no primeiro mês da iniciativa foram usados R$ 790 milhões com a contratação de pessoal, criação de gabinetes de crise, compras de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os hospitais, 20 ventiladores mecânicos que foram enviados para o Rio, e máscaras de pano para distribuição à população. Campanhas de conscientização sobre o uso correto das máscaras também foram realizadas com o dinheiro.

Mais 600 respiradores e 300 monitores estão a caminho, de acordo com Ceschin. Parte dos equipamentos deve chegar até o final de maio para serem distribuídos conforme a demanda detectada pelo grupo. Ceschin afirmou ainda que há previsão de novas compras. "Mas precisamos insistir no distanciamento social como forma de combater o crescente número de casos [de Covid-19]", acrescentou.

Varella lembrou que o uso de máscaras não pode ser aconselhado como forma única de prevenção contra a doença, portanto, é necessário conter as aglomerações. "A máscara sozinha não evita que as pessoas transmitam o vírus", afirmou. "O distanciamento social reduz o número de pessoas que vão parar no hospital, disso já sabemos. As pessoas que dizem que não se sabe ainda se a medida funciona são pessoas que não estudam, não lêem e não têm formação adequada nessa área", disse o médico.

O projeto tem ainda ações específicas de testagem e prevenção em populações mais vulneráveis, como idosos que vivem em asilos e detentos. Gonzalo Vecina Neto, ex-presidente da Anvisa, lembra, porém, que a iniciativa não substitui a ação do Estado. "Vamos agir para cobrir as deficiências durante uma crise muito pesada e criar efeitos que possam ser seguidos pela ação do Estado. Estamos realçando a ação do Estado, e é importante que ele assuma suas responsabilidades", afirmou.

Segundo Chapchap, que lidera o grupo, o Todos pela Saúde deve manter suas ações mesmo após o fim da pandemia. "Vamos permanecer unidos pela melhoria da saúde no Brasil. Nossa ação é mais intensa nesse momento, mas o auxílio à governança, por exemplo, é um dos nossos focos que deve continuar", concluiu.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Dólar sobe para R$ 5,30, mas acumula queda na semana
Cotação

Dólar sobe para R$ 5,30, mas acumula queda na semana

Antecipação do 13º do INSS vira dívida para aposentado que morreu em 2020
INSS

Antecipação do 13º do INSS vira dívida para aposentado que morreu em 2020