tecnologia

Inteligência artificial vai substituir até 80% dos empregos e "isso é bom", diz pesquisador

Responsável por cunhar o termo IA generativa, o matemático Ben Goertzel prevê que faltam "anos e não décadas" para IA desenvolver habilidades cognitivas humanas

O fundador e CEO da SingularityNET, Ben Goertzel, se apresenta junto com o robô Desdêmona durante o Web Summit Rio 2023 O fundador e CEO da SingularityNET, Ben Goertzel, se apresenta junto com o robô Desdêmona durante o Web Summit Rio 2023  - Foto: Mauro Pimentel/AFP

Nos próximos anos, a inteligência artificial (IA) poderá substituir "até 80%" dos empregos e isso "é algo bom", provoca o cientista americano Ben Goertzel, destacado pesquisador sobre o tema.

De cabelos longos, estilo informal e chapéu com estampa animal print, este matemático nascido no Brasil desperta a atenção em conferências como a Web Summit do Rio, onde apresentou, na semana passada, Desdêmoda, a última versão de seu robô humanoide Grace, uma enfermeira criada para cuidar de idosos em asilos e hospitais.

Responsável por cunhar o termo "Inteligência Artificial Generativa" (IAG), aquela que mais se aproxima das habilidades cognitivas humanas, Goertzel, de 56 anos, disse em uma entrevista à AFP que faltam apenas alguns "anos" para a tecnologia emular esta que é uma habilidade intrínseca do ser humano.

E defendeu que esse futuro sistema seja administrado de forma descentralizada e democrática, objetivo pelo qual fundou e dirige a plataforma SingularityNET.

Quanto tempo falta para termos uma inteligência com habilidades cognitivas humanas?
Se queremos máquinas que sejam realmente tão inteligentes como as pessoas e tão ágeis para lidar com o desconhecido, precisamos que sejam capazes de saltos ainda maiores em seu treinamento e programação. E ainda não conseguimos. Creio, porém, que há motivos suficientes para pensar que não faltam décadas, mas sim anos.

Não acredito que devemos parar, porque não se trata de uma IA super-humana perigosa (...) Não pode fazer raciocínios complexos de várias etapas, como requer a ciência. Nem inventar coisas novas fora do âmbito de seu treinamento com uma base de dados.

Há quem diga que deveríamos parar as pesquisas, porque esses sistemas podem disseminar a desinformação. Não concordo. Por que não proibimos a internet, que faz exatamente isso: coloca uma grande quantidade de informação ao alcance das suas mãos, e distribui também todas as mentiras e desinformação?

Acredito que devemos viver em uma sociedade livre, e assim como a internet não foi proibida, não deveríamos proibir isso.

O potencial da IA para substituir empregos não é uma ameaça?
Com sistemas da mesma natureza do ChatGPT que vão surgir nos próximos anos, minha suposição é que provavelmente cerca de 80% dos trabalhos manuais se tornem obsoletos. E isso sem a necessidade de criar uma IAG.

Não a vejo como uma ameaça, mas sim como um benefício. As pessoas poderão buscar melhores coisas para fazer, ao invés de passar a vida trabalhando (...) Praticamente, todas as tarefas administrativas poderão ser automatizadas.

O problema que vejo é o período de transição, quando as inteligências artificiais começarem a tornar obsoleto um trabalho atrás do outro (...) Não sei como resolver esses problemas sociais.

O que os robôs podem fazer hoje pela sociedade, e o que poderão fazer no futuro, com a inteligência artificial generativa?
Podem fazer muitas coisas boas. Um exemplo é a Grace, a enfermeira robô. Muitas pessoas nos Estados Unidos estão sozinhas em asilos. E, ainda que tenham atenção médica, alimentação, TV, elas tendem a ser insuficientes em termos de apoio emocional e social.

Se forem introduzidos nesses espaços robôs humanoides que respondam suas perguntas, escutem suas histórias, os ajudem a fazer ligações para os seus filhos ou a fazer pedidos na internet, se estará melhorando sua vida. Quando a IA generativa existir, se tonarão, então, acompanhantes melhores.

Nesse caso, não está eliminando empregos, porque não há pessoas suficientes que queiram trabalhar como enfermeiros ou cuidadores de idosos. A educação também seria um mercado incrível para os robôs humanoides, assim como o trabalho doméstico.

Como deveria funcionar a regulação para que a IA tenha um impacto positivo?
A governança dessas tecnologias deveria ser, de alguma forma, participativa, envolver a população. E tudo isso é tecnicamente possível. O problema é que as companhias que estão financiando a maioria das pesquisas em IA não se importam em fazer o bem. Importam-se em maximizar o seu valor para os acionistas.

Veja também

Moeda Capiba lança primeiro desafio coletivo para incentivar doação do Imposto de Renda
Doação

Moeda Capiba lança primeiro desafio coletivo para incentivar doação do Imposto de Renda

Haddad diz que busca trajetória de ajuste nas contas após dez anos de déficit
Haddad

Haddad diz que busca trajetória de ajuste nas contas após dez anos de déficit

Newsletter