Brasil

Intenção de consumo registra 3ª alta seguida em novembro, aponta pesquisa

Indicador ficou em 69,8 pontos em uma escala que vai de 0 a 200

Comércio do Centro do RecifeComércio do Centro do Recife - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A intenção de consumo das famílias registrou a terceira alta consecutiva em novembro, segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio). O índice é o melhor desde maio, mas ainda está abaixo do nível pré-pandemia. O indicador ficou em 69,8 pontos em uma escala que vai de 0 a 200, sendo que patamares acima de 100 significam satisfação.
 
Apesar de estar no campo negativo, abaixo dos 100 pontos, houve crescimento de 0,8% em relação a outubro. Na comparação com novembro de 2019, o índice recuou 26,7%, atingindo o pior patamar para o mês em toda a série histórica, iniciada em janeiro de 2010. Desde abril de 2015 a intenção de consumo permanece abaixo dos 100 pontos.
 
Entre as sete categorias que compõem o índice, apenas duas -acesso a crédito e avaliação de ser um bom momento para compra de produtos duráveis- tiveram variação negativa em relação ao mês anterior, com recuos de 0,3% e 3,1%, respectivamente. 
 
Foi a primeira queda após três meses de alta da disposição para consumo de bens duráveis, como carros e eletrodomésticos. "Isso mostra que, independentemente da maior confiança, as famílias continuam seletivas no momento de comprar e observam com atenção a eficiência do governo para manter a recuperação econômica", avalia a CNC.
 
No campo das variações positivas, a maior foi registrada na categoria perspectiva profissional, com alta de 3,3% em relação ao mês anterior, alcançando 82,2 pontos.
 
A avaliação do emprego e da renda atual também oscilaram positivamente (0,6% e 0,2%). No caso da percepção da renda atual, a melhora ocorre após sete meses de queda. Segundo a CNC, o crescimento aponta uma mudança de tendência.
 
"Com isso, percebe-se que a melhora das percepções em relação ao mercado de trabalho e a continuação do auxílio emergencial, mesmo em valor menor, foram suficientes para levar segurança financeira para os consumidores", afirma a entidade em nota.
 
Já na comparação anual, todas as categorias apresentaram queda, que variou de 7,9% (acesso a crédito) a 39,1% (momento para compra de duráveis). Avaliação da renda atual e da perspectiva de consumo registraram recuos acima dos 30% em relação a novembro de 2019. A insatisfação atinge todas as faixas de renda, mas é maior entre quem ganha menos de dez salários mínimos. O índice de intenção de compras neste grupo ficou em 67,9 pontos.


A pesquisa é divulgada na véspera da Black Friday, que será realizada nesta sexta-feira (27). Segundo projeção divulgada pela CNC, o evento será a primeira data comemorativa do pós-pandemia em que o varejo deve ter crescimento real.
 
A entidade aposta que a Black Friday deverá expor a diferença de desempenho entre as lojas físicas e lojas online. O destaque em vendas, segundo a CNC, deverá ser do segmento de eletroeletrônicos e utilidades domésticas, seguido por hipermercados e supermercados e móveis e eletrodomésticos.
 
Sondagens de e-commerces realizadas às vésperas do evento apontam que os consumidores irão manter na Black Friday os hábitos de consumo adquiridos na pandemia.

 

 

Veja também

Grupo farmacêutico Roche anuncia fechamento de fábrica no Brasil
Medicamentos

Grupo farmacêutico Roche anuncia fechamento de fábrica no Brasil

Apostador de Fortaleza acerta os seis números sorteados na Mega-Sena
Loteria

Apostador de Fortaleza acerta os seis números da Mega-Sena