Intervenção no preço do combustível afasta investimentos, diz especialista

O presidente Jair Bolsonaro teme uma nova paralisação dos caminhoneiros

O mercado brasileiro precisa focar no combate às fraudesO mercado brasileiro precisa focar no combate às fraudes - Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

A influência imprevisível do governo sobre o preço dos combustíveis é nociva para esse mercado e afasta investidores. "Segurança jurídica é essencial para atração e manutenção de investimentos. É o princípio da precaução: não se deve arriscar nem fazer algo sem saber o que vai acontecer mais à frente, ainda mais em mercados frágeis e que já foram monopólio um dia, como é o caso dos combustíveis", afirmou Alexandre Santos de Aragão, professor de direito administrativo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

O especialista participou de um dos debates do seminário Oportunidades e Desafios no Mercado de Combustíveis do Brasil, realizado pela Folha de S.Paulo, com patrocínio da Plural (associação nacional de distribuidoras de combustíveis), nesta terça-feira (16), em São Paulo.

Para Aragão, as medidas são anunciadas sem critérios objetivos. "Não é admissível a fixação de política pública num impulso, por telefonema, jantar ou reunião. As mudanças devem ser previsíveis e garantidoras de investimentos, feitas com base em estudos e análises de impacto. Como é hoje, não é política pública, é um estado caótico de ingestão", afirmou.

Leia também:
Ministro defende que combustível tenha preço justo e barato
Levy defende gás natural como alternativa a diesel em caminhões e ressuscita trem de alta velocidade de Dilma
Petrobras aumenta preço do diesel em 5,7%


O presidente Jair Bolsonaro impediu o aumento médio de 5,7% no preço do diesel, previsto para sexta-feira (12). Temeroso com uma eventual nova paralisação dos caminhoneiros, Bolsonaro ordenou ao presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, que revogasse horas depois de a medida ser divulgada, ainda na quinta (11). Com a intervenção, a estatal perdeu R$ 32,4 bilhões em valor de mercado.

O presidente-executivo da Plural, Leonardo Gadotti, frisou, porém, que reajustes na refinaria, como o que deveria acontecer na semana anterior, nem sempre refletem os preços que chegam ao consumidor final."No primeiro trimestre, o preço médio do óleo diesel subiu 17,7% nas refinarias brasileiras. No mesmo período, os preços nos postos subiram 3,3%. As distribuidoras buscam vender seu produto com a melhor oferta e fazem sacrifícios para que ele se torne competitivo", afirmou Gadotti.

Segundo Aurélio Amaral, um dos diretores da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que também estava no debate, não existe saída para os problemas do setor de combustíveis fora das políticas públicas. Ele defende medidas de governo para ampliar a competitividade em partes da cadeia onde ainda há alta concentração, como o refino do petróleo, dominado pela Petrobras, que tem cerca de 98% desse mercado.

Na avaliação de André Pinto, sócio do Boston Consulting Group (BCG), o mercado de combustíveis brasileiro funciona bem, com preços dentro de padrões internacionais, mas ele considera fundamental o combate a fraudes, como a adulteração de gasolina nos postos e a sonegação de impostos. "Sem isso, novos investidores não se sentem encorajados a entrar no negócio", afirmou.

Vinícius Marques de Carvalho, professor de direito na USP e ex-presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), concorda que práticas ilegais criam um ambiente de concorrência desleal. "Só entra em um mercado desses quem estiver disposto a praticar as mesmas condutas erradas de quem já atua nele. Assim, não temos a entrada de novos agentes que poderiam contribuir para uma competição adequada", concluiu.

Os debates foram mediados pelo jornalista da Folha de S.Paulo Nicola Pamplona.

Veja também

Bolsa sobe com recuperação chinesa, atividade econômica brasileira e aprovação de vacinas
Mercado Financeiro

Bolsa sobe com recuperação chinesa, atividade econômica brasileira e aprovação de vacinas

Burger King convida 'Paulos Guedes' para nova campanha publicitária
Fast Food

Burger King convida 'Paulos Guedes' para nova campanha