Investimento público deve cair a R$ 30 bi ano que vem, menor patamar já registrado

A proposta de Orçamento deve ser finalizada nesta terça-feira (27) e encaminhada ao Congresso até sexta-feira (30)

Mansueto Almeida, secretário do Tesouro NacionalMansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Os investimentos previstos no Orçamento de 2020 devem cair para a faixa de R$ 25 bilhões a R$ 30 bilhões, o menor patamar desde o início da série do Tesouro Nacional em 2007.

Na comparação com 2019, a queda pode ser de até 40% ante os R$ 35 bilhões a R$ 40 bilhões estimados para este ano. Os números foram informados à reportagem pelo Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida. A proposta de Orçamento deve ser finalizada nesta terça-feira (27) e encaminhada ao Congresso até sexta-feira (30).

Em 2019, a previsão inicial é que seriam liberados pouco mais de R$ 100 bilhões para investimentos. No entanto, eles somaram R$ 18,4 bilhões no primeiro semestre, em valores corrigidos pela inflação.



Leia também:
Brasil deve retomar grau de investimento em breve, diz ministro
Mansueto: governo gasta muito, mas não consegue reduzir desigualdade


Em 2007, início da série, os investimentos foram de R$ 72,7 bilhões. O ano recorde foi o de 2014, ano eleitoral: R$ 103,2 bilhões, também corrigidos pela inflação.

A queda dos investimentos públicos é um dos fatores que dificulta a retomada a economia brasileira, que patina desde a saída da recessão.

A expectativa é que o setor privado pudesse suprir a lacuna, mas o compasso de espera pela conclusão de reformas, a alta ociosidade da indústria e a turbulência internacional dificultam a retomada.

A previsão é que o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresça ao redor de 0,80% neste ano, bem abaixo dos 2,5% estimados ao final de 2018, quando o Orçamento de 2019 foi aprovado. Para 2020, as previsões voltam a apontar um crescimento ao redor de 2%.

Mansueto afirmou ainda que a expectativa é que as despesas discricionárias (não obrigatórias e que podem ser cortadas) também caiam em 2020, mas não fixou um patamar.

No Orçamento de 2019, elas foram previstas em R$ 120 bilhões, mas com os contingenciamentos ligados à frustração de arrecadação com o crescimento menor que o esperado da economia, estão em cerca de R$ 95 bilhões. "O cenário ideal seria manter em R$ 120 bilhões, mas talvez fique menor", afirmou.

A estrutura administrativa do governo já enfrenta dificuldades com a falta de recursos e há risco de apagão nos serviços públicos após os contingenciamentos recentes. Houve ameaças de interrupção de emissões de CPFs e pagamento de restituição de Imposto de Renda.

Mansueto enfatizou que o problema é a limitação com que o Orçamento pode ser gerenciado. Segundo ele, 94% dos gastos são obrigatórios e não podem ser cortados. Restam, portanto, apenas 6% para administrar e garantir o cumprimento do teto de gastos, aprovado em 2016.

Pela lei do teto, os gastos públicos crescem apenas pela inflação. Como parte dos gastos é indexada à inflação e outra tem aumentos automáticos (como promoções no serviço público), as despesas obrigatórias sobem acima do teto, afirma. Para 2020, o incremento deve ser de R$ 47 bilhões ante 2019. O ajuste acaba sendo feito, portanto, nas discricionárias e nos investimentos.

Veja também

Três nomes da equipe econômica são cotados para substituir Waldery na Fazenda
economia

Três nomes da equipe econômica são cotados para substituir Waldery na Fazenda

Maia afirma que tema do meio ambiente não pode ser disputa política
meio ambiente

Maia afirma que tema do meio ambiente não pode ser disputa política