JBS vende operações na Argentina, Paraguai e Uruguai por US$ 300 milhões

A empresa é alvo de investigação em oito processos abertos pelo órgão regulador e fiscalizador do mercado de capitais no Brasil

Grupo J&FGrupo J&F - Foto: Reprodução

A JBS divulgou nesta terça-feira (6) um fato relevante, informando aos acionistas e ao mercado que vendeu as operações de carne bovina na Argentina, Paraguai e Uruguai. As subsidiárias foram adquiridas por empresas controladas pela brasileira Minerva pelo valor total de US$ 300 milhões.

Segundo o comunicado, o preço ainda está sujeito a um ajuste referente à diferença entre o capital líquido e o endividamento das marcas negociadas. A estimativa da JBS é de que, em 31 de março, as empresas tivessem saldo positivo de US$ 40 milhões.

Comissão de Valores Mobiliários

A JBS é alvo de investigação em oito processos abertos pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão regulador e fiscalizador do mercado de capitais no Brasil. As apurações tentam esclarecer diversas notícias e especulações, em especial, as envolvendo o acordo de delação premiada firmado pelos controladores da companhia, os irmãos Joesley e Wesley Batista.

Entre as investigações, estão a suspeita de uso de informações privilegiadas e de que a empresa comprou uma grande quantidade de dólares antes do anúncio da delação, obtendo lucros com a variação cambial provocada pela divulgação do acordo. Também é apurada uma possível influência no Conselho de Administração da Brasil Foods (BRF).

O depoimento dos irmãos, associado a gravações de conversas de Joesley com autoridades do Executivo e do Legislativo, entre elas o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves, levou à abertura de inquéritos. Na segunda-feira (5), o presidente recebeu as perguntas formuladas pela Polícia Federal (PF) no inquérito que apura as denúncias feitas por executivos da empresa.

Veja também

Pandemia pode impactar retomada do Brasil em 2021, diz Fitch
Economia

Pandemia pode impactar retomada do Brasil em 2021, diz Fitch

Vazamento pode ter exposto na internet 220 milhões de dados pessoais de brasileiros
Internet

Vazamento pode ter exposto 220 milhões de dados de brasileiros