Justiça mantém suspensão de venda de campos de petróleo pela Petrobras

Na decisão desta terça-feira, Humberto Martins disse que a suspensão do negócio se mostra de fato necessária

PetrobrasPetrobras - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, manteve nesta sexta-feira (24) uma decisão do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) que suspendeu a venda de dois campos de petróleo nas bacias de Campos e de Santos.

Em outubro do ano passado, a Petrobras informou a negociação com a Karoon Gas Australia Ltda. para a venda de 100% de sua participação no campo de Baúna, na parte rasa da Bacia de Santos, e de 50% em Tartaruga Verde, que fica na Bacia de Campos.

O Sindicato Unificado de Trabalhadores Petroleiros de Alagoas (Sindipetro-AL) entrou com uma ação popular contra a Petrobras e a Agência Nacional de Petróleo (ANP) contestando a venda. Em novembro, a Justiça Federal concedeu uma liminar – decisão provisória – para suspender a negociação da Petrobras com a Karoon.

Após sucessivos recursos, a Petrobras não obteve sucesso em reverter a decisão. Na decisão desta terça-feira, Humberto Martins disse que a suspensão do negócio se mostra de fato necessária, até que a Justiça decida se a venda deveria ser feita por meio de licitação ou não.

“Os argumentos jurídicos críticos e dirigidos à ausência de uma base jurídica específica e clara para a concretização de uma operação empresarial de tal porte se mostram como um elemento de claro convencimento do risco do dano irreparável ou de difícil reparação”, escreveu Martins para justificar a liminar.

A venda dos campos faz parte do Plano de Desinvestimentos da Petrobras para o biênio 2015/2016, cuja meta era vender US$ 15,1 bilhões, mas fechou o ano passado com US$ 13,6 bilhões em operações de venda.

Veja também

Governo confirma que não haverá Censo do IBGE em 2021
Censo do IBGE

Governo confirma que não haverá Censo do IBGE em 2021

Em meio à pandemia de Covid-19, vetos ao Orçamento cortam recursos para saúde, educação e obras
Cortes

Em meio à pandemia, vetos ao Orçamento cortam recursos para saúde, educação e obras