Kassab diz que cresce a chance de intervenção na Oi

Ele reiterou que o governo espera que haja uma solução de mercado para a empresa, em recuperação judicial

Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto KassabMinistro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab - Foto: Pedro França/Agência Senado

Com o passar do tempo, aumenta a chance de intervenção do governo na empresa Oi. A afirmação é do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, que esteve nesta quinta-feira (6) reunido com a secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, no Ministério da Fazenda, em Brasília.

“À medida em que o tempo passa é evidente que a solução está distante ou está havendo dificuldade. O governo entende que, na medida em que o tempo esteja passando, aumenta a chance de intervenção”, disse o ministro.

Ele reiterou que o governo espera que haja uma solução de mercado para a empresa, em recuperação judicial. Mas o governo deve divulgar nos próximos dias uma medida provisória com regras para fazer a intervenção.

“Quando surgiu essa hipótese de intervenção em uma concessão, o governo despertou para ter uma legislação mais ampla, porque temos hoje diversas concessões no Brasil e o que está acontecendo eventualmente pode acontecer em outra concessão. Mas, por ser ampla, precisa ser elaborada com muito cuidado. O capital privado precisa ter segurança. Não pode achar que o governo pode, a qualquer momento, intervir”, disse.

O Grupo Oi, que detém o maior número de clientes de telefonia fixa do país, entrou com pedido de recuperação judicial em junho de 2016. O processo tramita na 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro e envolve sete empresas acionistas da companhia.

Veja também

Copom considerou alta de juros na decisão passada, diz ata da reunião
Economia

Copom considerou alta de juros na decisão passada, diz ata da reunião

Mega-Semana de verão pode pagar R$ 2 milhões no concurso desta terça-feira
CONCURSO

Mega-Semana pode pagar R$ 2 milhões no concurso desta terça