Kicks: um carro muito massa

Recepção do SUV da Nissan nas ruas foi impressionante. Também pudera, a versão testada pela reportagem traz o teto flutuante alaranjado, que por si só é um espetáculo a parte

Paulo Câmara vai abrir debate sobre Previdência se estados e municípios ficarem fora do texto da reformaPaulo Câmara vai abrir debate sobre Previdência se estados e municípios ficarem fora do texto da reforma - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Em cada parada no sinal de trânsito ou até mesmo em algum estacionamento do Recife, não foram poucas as vezes em que a reportagem foi abordada para dar mais detalhes sobre o carro: preço, disposição, conforto ou até mesmo só para soltar um “que carro massa”.

Por onde passou, o design do Nissan Kicks chamou atenção. Não à toa. O teto flutuante alaranjado, solução que acentua a impressão de visão ampliada do conjunto para-brisa e vidros laterais, foi o grande responsável pela curiosidade nas ruas.

E ele, de fato, não é apenas uma carinha bonita. Durante os sete dias em que a editora esteve de posse deste SUV, uma série de fatores deixou o “relacionamento” bem agradável. Para quem tem filho pequeno, sem dúvidas, o primeiro deles está no quesito espaço interno.

São 2.610 mm de entre-eixos, o que deixam os joelhos mais confortáveis, além de permitir uma ocupação menos apertada para quem anda no banco detrás e precisa dividir o ambiente com uma cadeirinha infantil.

Além disso, os bons espaços de armazenagem contam pontos a mais. A citar o porta-luvas com tampa, bolsos mais profundos nos painéis das portas e porta-bebidas e objetos no console central. Quem tem criança sabe que precisa de porta-malas... O do Kicks tem 432 litros e está entre os melhores da categoria.
Já em relação à disposição, a montadora japonesa apostou no motor flex 1.6 de 16 válvulas. A nova versão do propulsor entrega 114 cavalos de potência máxima a 5.600 rpm e torque máximo de 15,5 kgfm a 4.000 rpm. O câmbio continua no padrão Nissan, com a versão XTRONIC CVT.
Outro grande destaque é a câmera 360º, sistema que a Nissan adota em diversos modelos pelo mundo com o nome de Around View Monitor (AVM). Com o equipamento, o motorista pode enxergar tudo ao redor do veículo.

Ela funciona assim: as imagens são processadas na tela da central multimídia do painel de instrumentos, agrupando-se em uma unidade de imagem. As vistas laterais (abaixo dos retrovisores) mostram a esquerda e a direita, a vista da ré mostrando a parte detrás e a câmera da grade a visão da frente. Esses sinais são convertidos em uma imagem “olho-de-pássaro”, que apresenta o carro como se fosse visto de cima.
Sobre o consumo de combustível, a média ficou em 7,9 km/l, na gasolina. A média divulgada pela montadora é de 8,1 km/l. Com etanol, a Nissan diz que o consumo chega a ser de 9,6 k/l. Na estrada, a média seria de 11,4 km/l e 13,7 km/l, com gasolina e etanol, respectivamente.
Ah, vale lembrar que a versão testada pela Folha de Pernambuco foi a SL, a mais completa da linha, na cor cinza grafite com teto sunset Orange. O preço fica em R$ 93.480.

Veja também

Abraham Weintraub é reeleito diretor executivo no Banco Mundial por mais dois anos
Brasil

Abraham Weintraub é reeleito diretor executivo no Banco Mundial por mais dois anos

Receita Federal estima que metade dos fundos imobiliários sonegam impostos
receita federal

Receita Federal estima que metade dos fundos imobiliários sonegam impostos