Lei que prevê a rastreabilidade de ovos em Pernambuco é adiada

Lei que prevê a impressão de um código, com as informações dos produtos, nos ovos produzidos em Pernambuco só vai entrar em vigor em outubro

OvosOvos - Foto: Arquivo Folha

A lei que prevê a rastreabilidade dos ovos produzidos em Pernambuco entraria em vigor neste mês, mas foi adiada por 180 dias. Com isso, só a partir de 19 de outubro, as granjas estaduais terão que imprimir um código de rastreabilidade na casca do alimento, com informações como a procedência e a validade do produto, além do registro da empresa produtora na Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado (Adagro).

Leia também:
Fim da isenção fiscal para leite de outros países
Em Pernambuco, setor de avicultura estima prejuízo diário de R$ 5 milhões


Segundo a Adagro, a prorrogação foi solicitada pela Associação Avícola de Pernambuco (Avipe) para atender cerca de 950 granjas avícolas e unidades de beneficiamento de ovos que ainda precisam se regularizar. "Os produtores de ovos precisam de um prazo maior para se cadastrar e se organizar para fazer a compra dos equipamentos”, explicou o vice-presidente da Avipe, Edival Veras, contando que a máquina que faz a impressão da tinta nas cascas dos ovos custa cerca de R$ 20 mil.

A medida de identificação individual dos ovos é pioneira no Brasil e visa dar mais segurança alimentar aos consumidores. Afinal, o ovo tem apenas até 21 dias para ser comercializado em temperatura ambiente e, no máximo 30 dias, se refrigerado.

Veja também

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco
Folha de Pernambuco

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco

Fretamento aéreo vive seu pior momento em Manaus
Amazonas

Fretamento aéreo vive seu pior momento em Manaus