A-A+

Leilão do 5G obrigará teles a cobrirem rodovias federais com sinal de internet

A reunião do conselho diretor da agência está marcada para quinta-feira (6)

Internet Internet  - Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

As operadoras de telefonia que vencerem o leilão do 5G deverão cobrir boa parte da malha rodoviária federal do país com serviços de voz e internet.

A medida é uma contrapartida definida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações em uma portaria publicada nesta segunda-feira (3) e que definiu as diretrizes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações para que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) defina as regras do edital.

A reunião do conselho diretor da agência está marcada para quinta-feira (6).O governo, especialmente o ministério de Infraestrutura, quer que toda a extensão das rodovias seja coberta, o que ajudaria a reduzir os índices de acidentes e roubos de carga porque permitiria aplicações de monitoramento e segurança pública.

Atualmente, o país possui 75,8 milhões de quilômetros em vias federais, das quais somente 13% estão sob concessão à iniciativa privada. No entanto, caberá à agência fazer os cálculos dos valores necessários para definir quantas e quais rodovias deverão ser conectadas.

Leia também:
Setores de TI e internet dominam ranking sobre mercado de trabalho
Celebridade na internet, Bunitinho morre durante operação do Bope no Rio


Quanto mais contrapartidas a agência estipular para os vencedores do leilão, menos a União receberá em outorgas. Isso porque, pelas regras vigentes, os concessionários fazem o investimento no lugar da União como forma de levar o serviço a lugares comercialmente desinteressantes.

A portaria do ministério também estabelece que as operadoras deverão arcar com os custos de mitigação de interferências nas antenas parabólicas, que operam na faixa de frequência próxima a 3,5GHz.

Como as teles passarão a oferecer o 5G na faixa de 3,5GHz, haverá riscos de interferências. Por isso, terão de destinar recursos para instalar filtros em cada uma das antenas.

Processo similar ocorreu com o leilão do 4G em que as teles tiveram de arcar com a blindagem da faixa de 700 MHz para evitar interferência com as emissoras de TV, que operam em faixas próximas a essa.

Havia divergências em torno da melhor saída para essa faixa de frequência, mas emissoras de TV e operadoras entraram em acordo. Decidiram permanecer com a faixa de 3,5GHz, desde que a Anatel possa oferecer no leilão um bloco adicional de frequências (equivalente a 100 MHz).

Se isso ocorrer, o leilão do 5G pode entrar para a história como o maior já realizado no mundo. Seriam 400 MHz de uma só tacada.

Nos bastidores, as teles já trabalham com essa opção e dizem que, desta forma, seria possível equacionar lances mais interessantes para a União. No entanto, para fazer um leilão arrecadatório, como foram os das tecnologias 3G e 4G, a União terá de abrir mão das contrapartidas.

Na portaria, o ministério elencou quais pretende impor. Além das cobertura das rodovias federais e da mitigação da faixa de 3,5GHz, o governo quer que as teles levem o 4G a localidades com mais de 600 habitantes ainda sem o serviço; e redes de fibras ópticas em municípios ainda não atendidos.

Veja também

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto
Ibovespa

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro
Tesouro nacional

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro