Lucro da empresa de videoconferências Zoom cresce 1.123% durante pandemia

O lucro subiu de US$ 2,2 milhões para US$ 27,1 milhões no período

VideoconferênciaVideoconferência - Foto: Loic Venance/AFP

O lucro da empresa de videoconferências Zoom cresceu 1.123% no trimestre encerrado em 30 de abril deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019. De acordo com os dados divulgados pela empresa, que tem suas ações listadas na Bolsa Nasdaq, o lucro subiu de US$ 2,2 milhões para US$ 27,1 milhões no período.

As receitas cresceram 169%, para US$ 328,2 milhões. A estimativa dos analistas era uma receita de US$ 202,7 milhões. "Ficamos impressionados com a adoção acelerada da plataforma Zoom em todo o mundo no primeiro trimestre. A crise do Covid-19 gerou uma demanda maior por interações e colaboração face a face usando o Zoom", disse nesta terça-feira (2) Eric S. Yuan, fundador e CEO da Zoom.

Leia também:
Fotógrafos realizam ensaios por videochamada para ajudar instituições
Em tempos de isolamento social, cresce o interesse por aprender música na internet
Cartórios de notas realizam serviços por vídeoconferência em todo país


"Tenho orgulho de nossos funcionários da Zoom que se dedicaram a apoiar os clientes e a comunidade global durante esta crise. Com seus enormes esforços, fomos capazes de fornecer serviços de vídeo de alta qualidade a clientes novos e existentes." No final do trimestre, a Zoom tinha aproximadamente 265.400 clientes com mais de dez funcionários, um aumento de 354% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

Para o trimestre seguinte, a partir de maio, a empresa espera uma receita total de US$ 495 milhões a US$ 500 milhões. Para o ano fiscal completo, a expectativa é uma receita de US$ 1,775 bilhão a US$ 1,8 bilhão. A projeção anterior era de um teto de US$ 915 milhões.

"Essa perspectiva de receita leva em consideração a demanda por soluções de trabalho remoto para as empresas. Ele também assumiu o aumento da taxa de rotatividade de clientes na segunda metade do ano fiscal, quando comparado aos níveis históricos, devido a uma porcentagem maior de clientes que compraram assinaturas mensais no primeiro trimestre", diz a empresa em comunicado.

De acordo com a agência Reuters, as ações da empresa da Califórnia subiram quase 5% no after-market, pois a receita e o lucro no trimestre superaram as estimativas do mercado por uma ampla margem. Neste ano, as ações da Zoom mais que triplicaram de valor.

A empresa foi criticada no período por questões de privacidade e segurança, o que a levou a investir em atualizações do serviço. Embora a receita da Zoom tenha subido, seus custos aumentaram 330%, para US$ 103,7 milhões, o que reduziu a margem bruta para 68,4%, ante 80,2% um ano antes.

Um dos maiores custos da Zoom são os data centers e a banda para hospedar chamadas. A empresa administra algumas de suas centrais de processamento de dados, mas também paga pelos serviços de computação em nuvem da Amazon Web Services e da Microsoft, e em abril adicionou a Oracle como fornecedor. Em termos ajustados, a empresa ganhou US$ 0,20 por ação no trimestre, superando a estimativa de analistas de US$ 0,09.

O fundador da empresa afirmou também que a companhia forneceu serviços para um número sem precedentes de participantes gratuitos, incluindo mais de 100.000 escolas de ensino fundamental e médio ao redor do mundo, além de a Zoom Cares, empresa filantrópica corporativa com foco em educação, mudança climática, equidade social e doações a organizações com ações referentes à pandemia.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Preços do café em forte alta durante geada no Brasil
Economia

Preços do café em forte alta durante geada no Brasil

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE
SONEGAÇÃO

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE