Lucro do Santander Brasil cresce 10,3% no 3º tri e atinge R$ 1,88 bilhão

Banco viu suas receitas de crédito e com tarifas crescerem no período, amenizando parte das despesas com inadimplência

TJPETJPE - Foto: Gabi Albuquerque/Arquivo Folha

O Santander registrou lucro líquido de R$ 1,884 bilhão no terceiro trimestre do ano, alta de 4,3% em comparação com o trimestre anterior e de 10,3% em relação ao mesmo período de 2015.

O banco viu suas receitas de crédito e com tarifas crescerem no período, amenizando parte das despesas com inadimplência, que vêm reduzindo o lucro dos bancos brasileiros. O Santander é o primeiro banco a divulgar os resultados do período de julho a setembro.

A margem financeira bruta alcançou R$ 8,267 bilhões, alta de 5,9% em relação ao segundo trimestre. Já as receitas com prestação de serviços e tarifas avançaram 3,3% do segundo para o terceiro trimestre, atingindo R$ 3,437 bilhões. Na comparação com o período encerrado em setembro do ano passado, o crescimento foi de 17,8%.

Só as receitas com serviços de conta corrente cresceram 7,1% em três meses, para R$ 673 milhões. As receitas com cartões avançaram 8% de julho a setembro, para R$ 1,033 bilhão.

A carteira de crédito do Santander encolheu 5,6% em 12 meses, para R$ 247,3 bilhões. O resultado ruim foi atribuído à variação cambial.

O Santander voltou a expandir a oferta de crédito para pessoa física, mas focado nas linhas de consignado, financiamento imobiliário e cartão de crédito. Os bancos brasileiros vêm recorrendo ao consignado e ao financiamento imobiliário, linhas com garantia, para manter a oferta de crédito durante o período de crise.

A carteira total de pessoa física somava R$ 88,44 bilhões em setembro, alta de 6,8% em um ano e de 1,9% na comparação com o segundo trimestre.

Na contramão, os empréstimos a pessoa jurídica, que alcançaram R$ 125,016 bilhões, encolheram 13,9% em um ano e 0,4% na comparação com o segundo trimestre de 2016. O tombo foi de 15% nas concessões a grandes empresas e de 10% para pequenas e médias empresas.

Inadimplência

O índice de inadimplência acima de 90 dias alcançou 3,5% em setembro, alta em relação aos 3,2% que o banco vinha mantendo há um ano.

O resultado foi puxado pelo segmento de pessoa jurídica, que saltou de 2,2% para 2,8%, reflexo do calote de uma única empresa. Todos os grandes bancos têm registrado aumento da inadimplência e provisão contra calotes devido ao pedido de recuperação judicial da Sete Brasil.

Já os calotes do segmento pessoa física recuaram para 4,3%, queda em relação aos 4,4% de junho e aos 4,6% registrados em setembro do ano passado.

A despesa com provisão contra calotes alcançou R$ 2,84 bilhões, acima dos R$ 2,5 bilhões do terceiro trimestre (crescimento de 12%) e também maior que os R$ 2,45 bilhões apurados no terceiro trimestre do ano passado.

A cobertura da carteira atingiu 198,1% em setembro, crescimento de 13 pontos percentuais em 12 meses, mas queda de 11,2 pontos quando comparado a junho. O banco justificou que o impacto foi de uma única empresa que foi incluída como em atraso acima de 90 dias.

Veja também

Ministro do STF propõe validar imposto sobre heranças transmitidas no exterior
impostos

Ministro do STF propõe validar imposto sobre heranças transmitidas no exterior

Economia repassa R$ 60 milhões para o Ministério do Meio Ambiente
governo

Economia repassa R$ 60 milhões para o Ministério do Meio Ambiente