Mães abrem negócio para ficar mais perto dos filhos

Rejeitadas pelo mercado de trabalho, mães se tornaram empreendedoras

Seja por rejeição do mercado de trabalho ou pelo desejo de seguir outro caminho, mulheres que se tornaram mães têm apostado no próprio negócio para ficar mais perto dos filhos e, ao mesmo tempo, ganhar uma grana extra.

Há 19 anos, Luciana Pinheiro Bucalo, 42 anos, tomou coragem e abriu o próprio negócio. Hoje, ela atua como decoradora de interiores."Decidi empreender quando engravidei e fui demitida. Percebi que as empresas não queriam mulheres com filhos", declara.

Outro exemplo é a empresária Katia Martinelli, 47 anos, proprietária de uma franquia na área educacional com 650 alunos e mãe de dois filhos. "Trabalhar por conta é puxado, mas dá autonomia e liberdade para acompanhar os filhos", diz.

Segundo dados da Rede Mulher Empreendedora, que ouviu cerca de 1.400 pessoas em agosto de 2016, 85% das mulheres ouvidas empreenderam e 15% pensam em empreender. Entre as empreendedoras três em cada quatro decidiram abrir empresa após a chegada dos filhos. Os setores de serviços e comércio são os principais alvos dessas mães.

Os serviços foram o caminho escolhido por Ana Paula Peraza, 31 anos, mãe de Manuela, 2 anos, que decidiu abrir uma empresa especializada em decoração de festas infantis para se dedicar mais à pequena. "Faço compras, contato com fornecedores e visitas técnicas".

Ana conta que chega a faturar R$ 1.000 por cada evento, mas, para isso, é preciso ter muito jogo de cintura e dedicação. "Ser mãe é minha prioridade e minhas clientes mais próximas sabem disso. Acho que é por isso que funciona, afinal, a maioria delas são mães, Mas é lógico que todos os dias reservo algumas horas do dia para o trabalho", diz.

Formada em publicidade, ela diz não ter arrependimentos. "Não me arrependo de trabalhar em casa para poder ficar com minha filha. Tenho certeza que fiz a melhor escolha."

Para Ana Lúcia Fontes, presidente da Rede Mulher Empreendedora, o crescimento do número de empreendedoras no Brasil não surpreende. "As mães não se sentem acolhidas dentro da empresa quando retornam da licença-maternidade. Além disso, boa parte das corporações não permite horários flexíveis. Empreender surge, então, como única opção de mercado", afirma.

Empreender, porém, não é garantia de sucesso. Para evitar frustrações, Ana Carolina de Oliveira, gerente do Sebrae-SP, orienta: "Converse com pessoas que estão no ramo em que você pretende entrar, tome cuidado com o que está na moda, faça o planejamento financeiro, veja qual o nível de engajamento e se você tem aptidão para o que escolheu."

Veja também

Vazamento pode ter exposto na internet 220 milhões de dados pessoais de brasileiros
Segurança

Vazamento pode ter exposto na internet 220 milhões de dados pessoais de brasileiros

Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
Selic

Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano