Magazine Luiza fecha compra da Netshoes

Acordo está avaliado em R$ 244 milhões, mas ainda depende de aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica)

Magazine LuizaMagazine Luiza - Foto: EugÍnio Moraes/Hoje em Dia/Folhapress

A Magazine Luiza fechou um acordo para a compra do site de artigos esportivos Netshoes por US$ 62 milhões (R$ 244 milhões). A operação depende de aval de acionistas da Netshoes e também do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Segundo a Magazine Luiza, foi firmado um acordo com acionistas detentores de aproximadamente 47,9% das ações da Netshoes pela aprovação da proposta em assembleia -a empresa precisa de dois terços dos acionistas. Após a conclusão da aquisição, o ecommerce passará a ser uma subsidiária da Magazine Luiza.

Em fato relevante divulgado ao mercado, a varejista diz ter acertado o pagamento de US$ 2 por ação em dinheiro, abaixo do valor de fechamento das ações nesta segunda, que encerraram a US$ 2,65 na Bolsa de Nova York. Além da Magazine Luiza, a B2W (que controla Submarino e Americanas.com) também tentou comprar a varejista online.

A Netshoes abriu capital há dois anos, mas desde então vinha sendo penalizada por investidores por seu endividamento elevado e crescimento do prejuízo. Desde o IPO, os papéis recuaram 85,3% na Bolsa.

No terceiro trimestre de 2018, dado mais recente divulgado pela companhia, a Netshoes registrou prejuízo líquido de R$ 140,6 bilhões, quase duas vezes maior que o de um ano antes. A receita com vendas havia recuado 3,2%. A dívida total da empresa era de R$ 228,2 milhões no terceiro trimestre de 2018.

A Netshoes foi fundada em 2000 como uma loja física de calçados em São Paulo, por Marcio Kumruian e Hagop Chabab. Com o fracasso nas vendas, o negócio migrou para a internet.

Além da Netshoes, o grupo tem ainda o varejo de moda Zattini e operava no segmento de suplementos alimentares a outros varejistas, negócio que foi encerrado no ano passado.

Veja também

Guedes diz que auxílio emergencial pode voltar se vacinação fracassar, mas que medida exigirá sacrif
Extensão do auxílio

Guedes diz que auxílio emergencial pode voltar se vacinação fracassar, mas que medida exigirá sacrif

Bolsonaro reafirma compromisso com teto e descarta que medidas anticrise se tornem permanentes
Economia

Bolsonaro reafirma compromisso com teto e descarta medidas anticrise permanentes