A-A+

Maia cria comissão que vai analisar reforma da Previdência dos militares

Jair Bolsonaro enviou uma proposta para elevar, de 30 para 35 anos, o tempo mínimo de atividade militar

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia e o Presidente da República, Jair BolsonaroPresidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia e o Presidente da República, Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou a criação da comissão que irá analisar a reforma da Previdência dos militares. São 34 vagas de membros titulares. Por acordo, a presidência do colegiado deve ficar com o MDB. O relator da proposta deve ser o deputado Vinícius Carvalho (PRB-SP).

Essas escolhas, contudo, devem ser feitas apenas na próxima semana, quando a comissão deve ser instalada. Primeiro, os partidos precisam indicar os membros.
Não há previsão de quando a comissão irá encerrar os trabalhos e apresentar um parecer sobre a reforma da Previdência das Forças Armadas e dos militares estaduais, como policiais e bombeiros.

Leia também:
Secretário de Comunicação diz que reforma da Previdência já tem engajamento popular
Maia quer que relator antecipe parecer sobre Previdência
Paulo Guedes se diz confiante na aprovação da reforma da Previdência


Para manter o discurso de que o governo quer endurecer as regras de aposentadorias para todos, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma proposta para elevar, de 30 para 35 anos, o tempo mínimo de atividade militar; subir as alíquotas previdenciárias e passar a tributar as pensões. No entanto, Bolsonaro prevê, no mesmo projeto, aumento de salários e reestruturação das carreiras.

Assim, em dez anos, o governo estima economizar apenas R$ 10,45 bilhões com a reforma da Previdência dos militares. Isso é resultado de um corte de R$ 97,3 bilhões nos gastos previdenciários com as Forças Armadas e de um aumento de despesa de R$ 86,85 bilhões com as benesses concedidas. Inicialmente, a proposta causou revolta no Congresso, que criticava a reestruturação das carreiras. Mas, agora, alguns líderes da Câmara defendem que o projeto não sofra alterações ou sejam feitas pequenas mudanças.

A ideia é deixar o desgaste político para o governo, que propôs aumento de despesas em tempos de crise nas contas públicas. Esse debate será feito na comissão especial criada por Maia. O acordo na Câmara é que o projeto dos militares seja votado apenas após a votação da reforma da Previdência para trabalhadores da iniciativa provada e do setor público, cuja proposta deve gerar uma economia de R$ 1,2 trilhão em dez anos.

Veja também

Em dois dias, vendas on-line na Black Friday somam R$ 5,4 bi e ficam abaixo da expectativa
Economia

Em dois dias, vendas on-line na Black Friday somam R$ 5,4 bi e ficam abaixo da expectativa

Latam apresenta plano de recuperação de US$ 8,19 bilhões à Justiça americana
Companhia aérea

Latam apresenta plano de recuperação de US$ 8,19 bilhões à Justiça americana