Maia diz que equipe de Guedes usa fake news contra socorro a estados

As declarações foram feitas na tarde desta quinta-feira (16), antes da votação do auxílio emergencial complementar aprovado pelo Senado há duas semanas

Rodrigo MaiaRodrigo Maia - Foto: Luis Macedo - Câmara dos Deputado

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acusou a equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) de usar fake news para desqualificar o projeto de socorro a estados aprovado pelos deputados na última segunda-feira (13).

Maia afirmou ainda que a contraproposta apresentada pelo governo, de um socorro de R$ 77,4 bilhões, inviabilizaria "quase todos os estados num prazo de 45, 60 dias".

As declarações foram feitas na tarde desta quinta-feira (16), antes da votação do auxílio emergencial complementar aprovado pelo Senado há duas semanas.

Leia também:
Maia desidrata projeto de socorro aos estados, mas ainda desagrada a Guedes
Governo diz apoiar ampliação de auxílio emergencial de R$ 600 a mais categorias


"A proposta do governo são R$ 22 bilhões para estados e municípios. Do meu ponto de vista, isso inviabiliza quase todos os estados num prazo de 45, 60 dias", afirmou. "O governo não pode querer, usando número, enganar a sociedade".

Para ele, o interesse do governo é fomentar uma disputa com a federação. "Eu não vou entrar nesse jogo de números, nessa fake news da equipe econômica, usando números para tentar enganar a sociedade e a imprensa", criticou.

O relator do texto, deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), calcula que a proposta de ajuda da Câmara teria impacto de R$ 89,6 bilhões. Segundo Maia, em um dos cenários traçados, a equipe de Guedes estimou que o custo do projeto aprovado pela Câmara chegaria a R$ 285 bilhões.

"Aí, quando eu fui olhar, é porque eles estavam trabalhando com a hipótese de a arrecadação ser zero. De ISS [imposto municipal] e ICMS [estadual]. Se isso for um dado, a crise é mais profunda do que eles estão projetando para a gente", rebateu.

Maia, contudo, descartou qualquer tipo de retaliação contra o governo, como a aprovação de pautas-bombas para aumentar o rombo fiscal. "Então eu acho que não vou entrar nessa disputa", disse.

O deputado afirmou ainda que as agressões à proposta da Câmara têm motivação política.

"Claramente o governo tem um conflito e o ministro da Economia participa dele, contra os estados", afirmou Maia, citando especificamente os estados do Centro-Oeste, Sul e Sudeste.

"Nitidamente, por mais que a gente saiba que o foco deve ser Rio de Janeiro e São Paulo, todos os outros estados devem ser prejudicados, porque o governo, em tese, não quer ajudar da forma como nós entendemos que é o correto para o enfrentamento da crise", complementou.

Maia também defendeu que Câmara e Senado dialoguem para construir um texto consensual. Assim, seria possível elaborar uma solução ao problema sem o risco de o projeto ser alterado na outra Casa -a Câmara é quem dará a palavra final à proposta, antes de enviar para sanção ou veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Essa tese de aprovar um projeto do Senado e esquecer o da Câmara não é uma fórmula que vai gerar equilíbrio nas duas Casas", ressaltou.

De acordo com ele, se o Senado tiver uma outra proposta, a Câmara está aberta a ouvir. "O problema é que o governo na verdade não queria dialogar, queria impor uma posição do ministro da Economia que não resolveria o problema de estados e municípios", afirmou.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Comitê da Petrobras vê conflito de interesses em dois indicados para conselho da empresa
Estatal

Comitê da Petrobras vê conflito de interesses em dois indicados para conselho da empresa

Bitcoin dispara 98% neste ano e atrai novos investidores
Negócios

Bitcoin dispara 98% neste ano e atrai novos investidores