Maia negocia com governadores fundo de compensação previdenciária

Desde a semana passada, Maia admite que o governo ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar a reforma previdenciária

Rodrigo MaiaRodrigo Maia - Foto: Agência Brasil/Arquivo

Em um último esforço para tentar votos para aprovar a reforma da Previdência, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), articula com governadores a criação de um fundo de compensação previdenciária para o rombo dos Estados. Maia reuniu-se nesta segunda-feira (5) com dez governadores (MG, RJ, TO, AL, DF, AC, GO, SC, RS e PI), além de um representante de Sergipe.

O presidente Rodrigo pediu que nos esforcemos no sentido de fazer uma agenda mínima que possa unificar Estados e o Congresso Nacional em relação a questões previdenciárias, que são urgentes, disse o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), um dos participantes da reunião.

Leia também:
Relator diz que se reforma não for votada este mês, dificilmente será aprovada
Texto da reforma da Previdência será apresentado no dia 6


Segundo o governador, a ideia é criar um fundo de compensação previdenciária em um pacote que tratará também da securitização das dívidas ativas dos Estados. A proposta seria votada até março. Ainda não está definido de onde viriam os recursos para este fundo. Perillo disse não ter havido um pedido formal de apoio à reforma da Previdência em troca da criação do fundo, mas deixou clara a relação entre os dois temas. Não dá para aprovar aquilo que atenda só os governadores se a gente não resolve um problema que atenda o país, disse Perillo.

Segundo o governador José Ivo Sartori (PMDB-RS), secretários da Fazenda vão se encontrar na quinta-feira (15) após o Carnaval para uma discussão preliminar. No dia 19, data em que está prevista a votação da reforma da Previdência na Câmara, os governadores voltarão a se encontrar com Maia.

A reunião, segundo Sartori, é para ver a viabilidade de constituir um fundo de ativos que possa suportar o futuro da Previdência dos Estados. Eles têm interesse em resolver alguns temas. Sabem que a questão previdenciária está fora de controle para eles e para a União, disse Rodrigo Maia.

Desde a semana passada, Maia admite que o governo ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar a reforma previdenciária. Ele disse à reportagem que não colocará a proposta em votação sem ter certeza de vitória. Ele também afirmou que, se não votar o texto em fevereiro, não votará mais neste ano.

Veja também

Ministério de Infraestrutura entregará planos de estratégia logística para até 2050
Economia

Ministério de Infraestrutura entregará planos de estratégia logística para até 2050

Banco Central aprova 762 instituições para o Pix
Economia

Banco Central aprova 762 instituições para o Pix