Maia prevê impacto de R$ 35 bilhões de novo projeto de socorro a estados

Apesar de o deputado afirmar que há acordo em relação à proposta, ainda há dentro do governo resistência em relação ao impacto do projeto no Orçamento

Rodrigo Maia Rodrigo Maia  - Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O projeto de socorro aos estados que será votado no lugar do Plano Mansueto deve ter impacto orçamentário de R$ 35 bilhões e abrir uma capacidade de empréstimos de R$ 50 bilhões, de acordo com projeções do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Apesar de o deputado afirmar que há acordo em relação à proposta, ainda há dentro do governo resistência em relação ao impacto do projeto no Orçamento. Integrantes da equipe econômica qualificam o texto como uma bomba fiscal.

Líderes de partidos de centro defendem levar o projeto adiante mesmo com a posição contrária do Ministério da Economia. Eles, inclusive, ironizam as reclamações do ministro Paulo Guedes (Economia).

Leia também:
Após decisão de STF, Maia defende negociação direta entre patrão e empregado para corte de jornada
Comércio já acumula perda de R$ 53,3 bilhões com a pandemia


Segundo ele, o Plano Mansueto, cujo nome faz referência ao secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, não resolve os problemas de curto prazo dos estados e apresenta um programa de médio a longo prazo.

Além disso, havia o risco de serem aprovadas emendas que desfigurariam a proposta.

"Eu tenho certeza de que muitos dentro do governo sabem que essa proposta é a melhor. Muitos sabem que a votação do Plano Mansueto hoje seria de alto risco e muitas emendas seriam aprovadas, contaminando e prejudicando o futuro dos estados brasileiros", afirmou.

O projeto emergencial que será votado na Câmara, de relatoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), prevê que a União pague uma recomposição do ICMS (imposto estadual) e do ISS (municipal). O custo dessa medida, estimada em cerca de R$ 35 bilhões, tem efeito no Orçamento federal.

Além disso, o texto permite que estados possam contratar empréstimos e financiamentos, limitados a 8% da receita corrente líquida do ano passado, para bancar medidas de enfrentamento ao novo coronavírus e para estabilizar a arrecadação em 2020.

Maia estimou que os estados possam contratar R$ 50 bilhões.

Esse é um dos pontos mais polêmicos na avaliação do time do ministro Paulo Guedes (Economia). Técnicos acreditam que o crédito, portanto, não será restrito ao combate à pandemia e poderá ser usado inclusive nos próximos anos.

Assim, o projeto de socorro não teria efeito apenas em 2020. O Tesouro deverá dar as garantias para essas operações de crédito, mesmo para estados com baixa condição de pagamento.

O time de Guedes calcula que a proposta mais recente, que circula entre líderes da Câmara, tem um impacto de R$ 180 bilhões, entre medidas primárias (como o gasto direto para bancar a queda do ICMS e ISS) e financeiras, como a suspensão do pagamento de dívidas com a União, que deve aliviar o caixa dos estados e municípios em R$ 43 bilhões.

O texto não exige que estados tomem medidas de médio a longo prazo para ter acesso à compensação de ICMS ou às garantias nos empréstimos. Por isso, o Ministério da Economia acredita que a proposta vai desestimular que governadores façam a adesão a planos estruturantes para controle das contas públicas, como o Plano Mansueto, que previa contrapartidas.

O projeto garante o ICMS dos estados por 3 meses, que segundo Maia estão perdendo mais de 30% dessa arrecadação, e garante que os governadores repassarão aos municípios 25% desses recursos, como se fosse uma arrecadação comum do imposto.

O texto também proíbe aumentos salariais neste ano. "Tenho certeza de que o texto que está sendo votado é um texto muito razoável", disse Maia.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE
SONEGAÇÃO

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão
CONTA DE LUZ

Consumidor pode pagar mais R$ 3,6 bi na conta de energia para evitar apagão