Maia se diz contrário à MP que aumenta tributação dos fundos exclusivos

Em evento da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Maia disse que a medida traz "insegurança jurídica" e dá "sinal completamente errado" para empresários

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo MaiaPresidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (20) ser contrário à medida provisória que aumenta a tributação sobre os fundos de investimento exclusivos.

Em evento da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Maia disse que a medida traz "insegurança jurídica" e dá "sinal completamente errado" para empresários.
"Quando você cria uma regra para um empresário investir, gerar emprego, e no meio do processo você muda a regra taxando ele porque há uma crise fiscal, você está dando um sinal completamente equivocado e de insegurança jurídica", declarou.

Segundo o presidente da Câmara, é preciso ter regras claras para que "todos possam dormir tranquilos sabendo que seus investimentos planejados serão executados".
A medida provisória foi editada pelo presidente Michel Temer em outubro de 2017, e teve sua validade prorrogada em fevereiro.

Leia também:
Maia diz que dinheiro para intervenção no Rio só será liberado no 2º semestre
Maia diz que não está se lançando para negociar vice do PSDB

Pelo texto, os fundos exclusivos serão tributados de maneira semelhante aos demais fundos, o que na prática aumenta os impostos sobre eles.
O governo pretende arrecadar R$ 6 bilhões.

A MP tramita atualmente em comissão mista, e tem de ser votada pela Câmara e pelo Senado até o dia 8 de abril para não caducar.

Veja também

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões
Economia

Resgates superam investimentos no Tesouro Direto em R$ 168,48 milhões

CMN flexibiliza regras para crédito rural a pequenos produtores
Economia

CMN flexibiliza regras para crédito rural a pequenos produtores