Maioria de novos empregos paga até dois salários mínimos, diz Ipea

O levantamento do Ipea indica que, a partir do segundo semestre de 2018, a geração de novos postos de trabalho com carteira assinada no Brasil apresentou maior dinamismo, chegando a 521,5 mil novos empregos

Emprego Emprego  - Foto: Marcello Casal/ Agência Brasil

Em contrapartida ao recuo do desemprego no Brasil, a grande maioria das novas vagas geradas no país possui uma remuneração máxima de até dois salários mínimos, aponta análise do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Segundo o relatório divulgado nesta quarta-feira (18), apenas as duas primeiras faixas salariais possuem saldos positivos, ou seja, o número de contratações supera o de demissões.

"Para todos os demais níveis salariais acima, a dispensa de trabalhadores é maior que o total de admissões", diz o relatório do Ipea. De acordo com a documentação do instituto, nos últimos doze meses, os quatro maiores setores empregadores do país -indústria de transformação, construção civil, comércio e serviços- mostram uma criação maior de empregos com remuneração entre um e dois salários mínimos e uma destruição de vagas com salário superior a esse patamar.

Leia também:
País gera 43,8 mil empregos formais em julho
Governo agora quer Nova CPMF para tentar combater desemprego entre jovens


"Em 2015 e 2016, com a crise batendo mais forte, não conseguíamos remunerar nem dois salários mínimos. Em 2019, mesmo começando a se recuperar, em 2010 e 2013 a diferença entre um e dois salários mínimos era muito maior", explicou Maria Andreia Parente, técnica de planejamento do Ipea.

"Por mais que a gente gere vagas que remuneram de um a dois salários mínimos, ainda estamos em uma proporção menor do que aquela que vivemos no período pré-crise", acrescentou a técnica.

Ela assina o estudo junto com Sandro Sacchet de Carvalho (técnico de planejamento e pesquisa) e Carlos Henrique Corseuil e Lauro Roberto Albrecht Ramos (ambos da diretoria de estudos e políticas sociais).

O levantamento do Ipea indica que, a partir do segundo semestre de 2018, a geração de novos postos de trabalho com carteira assinada no Brasil apresentou maior dinamismo, chegando a 521,5 mil novos empregos criados no acumulado de 12 meses até julho deste ano.

"Junto a esse bom resultado, as estatísticas também mostram, na margem, uma recuperação dos salários médios de contratação, embora estes, historicamente, mantenham-se abaixo dos salários de demissão", escrevem os pesquisadores do Ipea.

Para finalizar, a análise do Ipea diz que a grande maioria dos trabalhadores demitidos são aqueles que possuem menos permanência no cargo. Já a menor parcela dos dispensados é formada por aqueles que tinham mais de cinco anos no emprego.

No fim de agosto, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a taxa de desocupação no Brasil caiu para 11,8%, o que representa 12,6 milhões de pessoas desempregadas, contra 12,5% no trimestre imediatamente anterior (fevereiro a abril de 2019).

A taxa de desemprego recuou no país, mas devido em especial à criação de vagas no mercado informal, que bateu novo recorde. O total de empregados do setor privado sem carteira de trabalho assinada teve um aumento de 3,9% (441 mil pessoas), enquanto o número de trabalhadores por conta própria subiu 5,2% (1,2 milhão de pessoas).

Veja também

Pernambuco ganha fábrica na Mata Sul que vai gerar 250 empregos
pernambuco

Pernambuco ganha fábrica na Mata Sul que vai gerar 250 empregos

Novo jogo para celular do grupo de K-pop BTS está disponível para download
games

Novo jogo para celular do grupo de K-pop BTS está disponível para download