Mais de 18 marcas suspendem compra de couro brasileiro por incêndios na Amazônia

A suspensão está relacionada às queimadas na região amazônica

AmazôniaAmazônia - Foto: Lula Sampaio/AFP

Marcas internacionais, como Timberland, Vans e Kipling, suspenderam a compra de couro brasileiro devido às notícias relacionando as queimadas na região amazônica com o agronegócio no país, segundo informações do CICB (Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil) enviadas ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, nessa terça-feira (27).

"Recentemente, recebemos com muita preocupação o comunicado de suspensão de compras de couros a partir do Brasil de alguns dos principais importadores mundiais. Este cancelamento foi justificado em função de notícias relacionando queimadas na região amazônica ao agronegócio do país", disse o presidente da CICB, José Fernando Bello, no documento.

Leia também:
Governo libera R$ 38 milhões para ações na Amazônia
Bolsonaro acusa Macron de "disfarçar suas intenções" sobre a Amazônia
Bolsonaro está fazendo um grande trabalho na Amazônia, diz Trump

Entre as marcas que já solicitaram a suspensão de compra de couro do Brasil estão Timberland, Dickies, Kipling, Vans, Kodiak, Terra, Walls, Workrite, Eagle Creek, Eastpack, JanSport, The North Face, Napapijri, Bulwark, Altra, Icebreaker, Smartwoll e Horace Small.

"Entendemos com muita clareza o panorama que se dispõe nesta situação, com uma interpretação errônea do comércio e da política internacionais acerca do que realmente ocorre no Brasil e o trabalho do governo e da iniciativa privada com as melhores práticas em manejo, gestão e sustentabilidade", afirmou Bello. No documento, ele também pede ao ministério uma atenção especial à situação a qual o setor enfrenta, afirmando que é "inegável a demanda de contenção de danos à imagem do país no mercado externo sobre as questões amazônicas".

Veja também

Violência contra a mulher também é um problema econômico, diz presidente da Avon
Avon

Violência contra a mulher também é problema econômico, diz presidente

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção
servidores

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção