Mercado de gás veicular cresce 11% em Pernambuco

Aumento está refletindo na procura pela instalação de kit gás no Grande Recife

Minha FilhaMinha Filha - Foto: YouTube/Reprodução

 

O mercado de gás natural veicular (GNV) em Pernambuco registra, no acumulado dos nove primeiros meses deste ano, um crescimento de 11% em relação ao mesmo período do ano passado. Em setembro, a Companhia Pernambucana de Gás (Copergás) contabilizou uma média diária de 174 mil metros cúbicos vendidos nos postos do Estado, que é 12% maior do que era registrado no início do ano. As marcas são sentidas pelas lojas instaladoras de kit gás da Região Metropolitana do Recife, que atribuem a alta na movimentação à adesão de muitos carros ao Uber e ao preço da gasolina.
Na Master Gás, em Olinda, o proprietário Fabio Silva chegou a se queixar de leve queda em setembro após boa procura em julho e agosto, mas já comemora um bom início de outubro. Ele considera o Uber como um fator determinante para essa alta e acredita que haja uma retração na procura por conta da incerteza pela qual passa o serviço no Recife. “É um mercado novo que apareceu”, ponderou. “Julho e agosto foram melhores que setembro, mas também teve o preço da gasolina que baixou um pouco, e isso prejudicou o mercado, mas outubro já começou bem”, acrescentou. Na loja de Fábio, o preço do kit varia de R$ 1.600 a R$ 5 mil.

Também em Olinda, a Via Gás Auto Service estima que a movimentação cresceu cerca de 35%. “O aumento nas vendas vem desde julho. Antes, nós instalávamos em média três kits por dia. Agora a gente instala entre quatro e cinco. Hoje mesmo temos quatro carros aqui fazendo o serviço”, afirmou a gerente Dulce Goes. Segundo ela, não é só de Uber e táxi que se forma sua cartela de clientes. “Muitos carros particulares estão vindo aqui também. Nossa carteira tem cerca de 30% de clientes particulares, o que engloba também os vendedores autônomos, que rodam muito e acabam consumindo mais combustível”, acrescentou. Lá o preço do kit parte de R$ 2.790.

Potência
A instalação de kit gás foi adotada pelo taxista Jaelson Silva da Costa. “Peguei o meu carro zero quilômetro e, em 15 dias, eu não aguentei rodar com gasolina. Todo dia, eu gastava R$ 80. Hoje eu gasto R$ 30 e rodo em torno de 100 quilômetros diariamente”, explicou. Ele comentou também que, em um ano e meio que utiliza equipamento, nunca passou por algum problema com seu veículo “não perdeu nada em termos de potência”.
Já o presidente da Copergás, Décio Padilha, atribui a procura à “economicidade” e ao fato de ser um combustível limpo. “Se você botar R$ 100 de GNV, você roda mais de 700 quilômetros, e se botar R$ 100 de gasolina, roda 280 quilômetros, menos da metade”, comentou. “Eu acredito que esse crescimento é para o uso particular. A classe média começou a fazer a conversão do carro. O GNV começa a entrar no apelo das pessoas na questão da própria poluição. O GNV tem 98% menos de dióxido de enxofre e 90% menos de monóxido de carbono em relação à gasolina”, completou.

 

Veja também

Milionários pedem que governos tributem ricos para pagar conta do coronavírus
Tributos

Milionários pedem que governos tributem ricos para pagar conta do coronavírus

Nova gasolina se torna obrigatória em agosto e deve ser mais cara
economia

Nova gasolina se torna obrigatória em agosto e deve ser mais cara