Mercado de veículos tem alta de 20,06% em janeiro

Foram comercializadas 269.092 unidades considerando todos os segmentos: automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motocicletas

VeículosVeículos - Foto: Agência Brasil

O mercado de veículos começou 2018 com alta de 20,06% na comparação entre os emplacamentos de janeiro deste ano com o primeiro mês de 2017. Foram comercializadas 269.092 unidades considerando todos os segmentos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motocicletas).

Os números confirmam a melhora do setor. Em 2017 foi registrado um crescimento de 9,36% em relação a 2016, quando foram comercializadas 2,43 milhões de unidades, encerrando um período de quatro anos seguidos de declínio.

Leia também:
Anfavea estima aumento de 13,2% na produção de veículos este ano
Puxada por exportações, produção de veículos cresce 25,2% em 2017
Mais 250 mil carros voltam às ruas do Recife esta quinta-feira


O presidente da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos), Alarico Assumpção Júnior, entende que o crescimento era esperado pela melhora do cenário econômico. "Refletem diretamente na confiança do consumidor e favorecem o mercado de veículos", afirma Assumpção Júnior. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (1º) pela Fenabrave.

Considerando apenas os automóveis e comerciais leves a alta foi maior: 22,29% ante janeiro de 2017, com 175.554 unidades emplacadas. Destaque para o Volkswagen Polo. O hatch médio que voltou ao mercado totalmente reformulado em novembro alcançou a quarta colocação entre os mais vendidos emplacando 6.632 unidades. Em dezembro, o Polo era o décimo colocado, com 4.898 unidades.

O Chevrolet Onix segue absoluto na liderança (16.058). O Ford Ka pulou de terceiro para segundo e com 7.656 emplacamentos desbancou o Hyundai HB20 (7.436). Os mercados de caminhões, ônibus e motocicletas também cresceram na comparação com janeiro de 2017 com altas, respectivamente, de 56,26%, 57,71% e 13,95%.

Queda normal
Com relação a dezembro foi registrada queda de 10,68%. O presidente da Fenabrave atribui o declínio em relação ao mês anterior ao comprometimento da renda dos consumidores, com impostos e matrículas escolares.

Veja também

Brasileiro de alta renda busca imóvel grande por conforto no confinamento
Nova rotina

Brasileiro de alta renda busca imóvel grande por conforto no confinamento

Bolsonaro liga para empresária que chamou fechamento de loja de ato da 'ditadura'
Pandemia

Bolsonaro liga para empresária que chamou fechamento de loja de ato da 'ditadura'