Mercado de veículos tem alta de 20,06% em janeiro

Foram comercializadas 269.092 unidades considerando todos os segmentos: automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motocicletas

VeículosVeículos - Foto: Agência Brasil

O mercado de veículos começou 2018 com alta de 20,06% na comparação entre os emplacamentos de janeiro deste ano com o primeiro mês de 2017. Foram comercializadas 269.092 unidades considerando todos os segmentos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motocicletas).

Os números confirmam a melhora do setor. Em 2017 foi registrado um crescimento de 9,36% em relação a 2016, quando foram comercializadas 2,43 milhões de unidades, encerrando um período de quatro anos seguidos de declínio.

Leia também:
Anfavea estima aumento de 13,2% na produção de veículos este ano
Puxada por exportações, produção de veículos cresce 25,2% em 2017
Mais 250 mil carros voltam às ruas do Recife esta quinta-feira


O presidente da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos), Alarico Assumpção Júnior, entende que o crescimento era esperado pela melhora do cenário econômico. "Refletem diretamente na confiança do consumidor e favorecem o mercado de veículos", afirma Assumpção Júnior. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (1º) pela Fenabrave.

Considerando apenas os automóveis e comerciais leves a alta foi maior: 22,29% ante janeiro de 2017, com 175.554 unidades emplacadas. Destaque para o Volkswagen Polo. O hatch médio que voltou ao mercado totalmente reformulado em novembro alcançou a quarta colocação entre os mais vendidos emplacando 6.632 unidades. Em dezembro, o Polo era o décimo colocado, com 4.898 unidades.

O Chevrolet Onix segue absoluto na liderança (16.058). O Ford Ka pulou de terceiro para segundo e com 7.656 emplacamentos desbancou o Hyundai HB20 (7.436). Os mercados de caminhões, ônibus e motocicletas também cresceram na comparação com janeiro de 2017 com altas, respectivamente, de 56,26%, 57,71% e 13,95%.

Queda normal
Com relação a dezembro foi registrada queda de 10,68%. O presidente da Fenabrave atribui o declínio em relação ao mês anterior ao comprometimento da renda dos consumidores, com impostos e matrículas escolares.

Veja também

Governo dá início a processo de fusão entre Valec e EPL
economia

Governo dá início a processo de fusão entre Valec e EPL

Rio tenta adiar julgamento sobre royalties do petróleo no STF
petroleo

Rio tenta adiar julgamento sobre royalties do petróleo no STF