Mesmo em crise, Oi tem destaque

A recuperação judicial vem ajudando empresa a ter de volta poder de investimento. Meta é atrair investidor

Fernando Haddad recebeu o deputado federal Silvio costa para discutirem os rumos da esquerda no País, além de avaliarem as eleições 2018Fernando Haddad recebeu o deputado federal Silvio costa para discutirem os rumos da esquerda no País, além de avaliarem as eleições 2018 - Foto: Divulgação

Apesar de assustar investidores e órgãos regulatórios, o pedido de recuperação judicial não atrapalhou os índices de investimento e crescimento da Oi. Pelo menos é isso que afirma o diretor nacional de varejo da companhia, Bernardo Winik. Ele explica que a empresa recorreu à medida para poder continuar aperfeiçoando sua capacidade operacional. Por isso, depois que se livrou das dívidas, em junho, pôde voltar a investir. 

E, desde então, teria até ampliado seu caixa de R$ 5 bilhões para R$ 7,2 bilhões.
Em visita ao Recife, Winik reconheceu em entrevista exclusiva à Folha de Pernambuco que, antes de recorrer à Justiça, a Oi estava atada. Afinal, detinha dívidas altas demais para o seu orçamento e, por isso, não conseguia manter investimentos - ao todo, o processo envolve R$ 65 bilhões de débitos.

Porém, ao entregá-los à Justiça, a companhia voltou a empregar suas receitas em melhorias de rede, aperfeiçoando a qualidade do serviço prestado. “A recuperação é feita justamente para proteger a operação comercial. E foi essa a decisão que tomamos: abrir uma janela com os credores para encontrarmos uma forma de pagar a dívida sob outras condições, de forma que não afete a capacidade da companhia de investir e prestar serviços para os clientes”, afirmou o diretor.
O executivo contou que a companhia treinou todos os canais de atendimento para esclarecer as dúvidas dos clientes em relação ao processo de recuperação judicial e mantém uma equipe para tratar do assunto. Porém, continua com a maior parte de seus colaboradores voltados à questão operacional. "E aqui é vida normal, os investimentos continuam", garantiu, dizendo que o volume de investimentos cresceu 14,3% entre janeiro e setembro deste ano, em relação ao mesmo período de 2015.
Segundo a companhia, foram aplicados mais de R$ 3,4 bilhões no País. Desses, R$ 94 milhões vieram para Pernambuco, onde a Oi é líder em telefonia móvel com 4,5 milhões de clientes. O Estado recebeu serviços de expansão e manutenção da rede que melhoraram a qualidade do serviço e levarão, até o fim do ano, a cobertura 4G às cidades de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Garanhuns, Igarassu, Vitória de Santo Antão e São Lourenço da Mata.
Com isso, a companhia registrou bons resultados em todas as áreas de atuação. No segmento móvel, por exemplo, a receita líquida marcou R$ 1,9 bilhão no terceiro trimestre de 2016. No residencial, o volume foi ainda maior: R$ 2,3 bilhões, com crescimento anual de receita líquida de 7,8% e 29,2% nos serviços de banda larga e TV, respectivamente.
“Os números comprovam que, operacionalmente, a companhia entrega um resultado melhor a cada dia. Se consultarmos os indicadores de qualidade da Anatel, todos os índices da Oi são melhores que os de quatro meses atrás. Evoluímos até no número de reclamações. E é por isso que, mesmo quando fala de intervenção, a Anatel não toca na questão operacional”, disse Bernardo Winik, garantindo que a Oi também não obteve novos problemas financeiros.

“Agora, a companhia gera caixa suficiente para pagar todas as contas e ainda continuar investindo. Prova disso é que, quando pedimos recuperação judicial, tínhamos R$ 5 bilhões em caixa. E hoje temos R$ 7,2 bilhões”, afirmou.
O diretor de varejo da Oi ainda disse que é com esses bons resultados que a companhia pretende mostrar aos investidores que ainda vale a pena investir nela, aderindo ao processo de recuperação judicial. “Desse jeito, provamos para nossos credores que eles podem aceitar a renegociação da dívida apostando no futuro da companhia porque, operacionalmente, ela é saudável e gera resultado”, finalizou.

"Criamos planos transparentes, que agregam serviços"
Em conversa exclusiva com a Folha de Pernambuco, Bernardo Winik também comentou o desempenho da Oi em cada setor do mercado de telefonia. E ele garantiu que nem o processo de recuperação judicial nem a crise reduziram o número de clientes da operadora. Ao contrário, o volume teria até subido com a retomada dos investimentos e a renovação do portfólio de produtos da companhia com o lançamento de produtos simples e convergentes. Entenda os pormenores de cada serviço:

Móvel pós-pago
Temos crescimento ano a ano no pós-pago. E crescemos mais que outras operadoras porque simplificamos nossos planos. Os consumidores estavam cansados de pagar por planos complicados. Então, criamos planos transparentes, que agregam serviços. Com isso, temos o melhor custo-benefício do mercado. Não somos a operadora mais barata, mas oferecemos mais serviços pelo mesmo preço.

Então, é possível economizar na Oi. E isso é importante neste momento em que todo mundo está com o orçamento apertado. Além disso, fomos a primeira operadora a oferecer planos com minutos para outras operadoras. Com isso, os clientes não têm mais a necessidade de terem vários chips para poder fazer um melhor uso do seu dinheiro.

Móvel pré-pago
O pré-pago vem sendo muito afetado pela conjuntura econômica, porque tem uma relação direta com a taxa de desemprego. Com o desemprego crescente e a redução da renda das pessoas, o uso do serviço diminuiu. E isso não é exclusividade da Oi, porque a conjuntura econômica afeta a todos os concorrentes. A despeito disso, a Oi cai menos que outras operadoras por conta do Oi Livre.

Produtos residenciais
Olhando historicamente, percebemos que a Oi tem uma queda na receita residencial desde 2003 em função da queda de linhas fixas. Afinal, é tendência natural do mercado que o telefone fixo seja descontinuado. Porém, em função do combo e da estratégia de convergência que lançamos em abril com o Oi Total, conseguiremos ter um crescimento na receita residencial neste ano, depois de muitos anos de queda.

Isso porque na hora que agregamos ao telefone fixo os serviços de banda larga, TV e telefonia móvel, entregamos a proposta de valor mais vantajosa do mercado. Então, por conta da grande adesão ao combo - pretendemos encerrar o ano com um milhão de clientes no Oi Total -, estamos vendo o volume de linhas fixas caírem em velocidade menor.

E já conseguimos ver um crescimento da receita residencial porque também observamos um crescimento na receita da banda larga, sobretudo com a adesão aos planos de alta velocidade; a receita de TV também cresce com a Oi TV, que oferece uma qualidade de imagem e uma quantidade de canais HD maior que a concorrência; e o crescimento da telefonia móvel. A combinação desses quatro elementos fez esse nicho voltar a crescer, mostrando que a estratégia de convergência é o caminho.

Veja também

Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil
Moeda

Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil

Bolsonaro se irrita com homem que pediu para baixar preço do arroz
Arroz

Bolsonaro se irrita com homem que pediu para baixar preço do arroz