Milei

Milei aumenta salário mínimo em 30% em meio a inflação de 254%

O valor foi estabelecido em 180.000 pesos para fevereiro

O presidente da Argentina, Javier Milei O presidente da Argentina, Javier Milei  - Foto: Juan Mabromata/AFP

O governo argentino fixou um aumento do salário mínimo de 30% no total entre fevereiro e março, informou o porta-voz da Presidência nesta terça-feira (20), em meio a uma inflação de mais de 250% ao ano.

"Não foi possível que as partes chegassem a um acordo na discussão sobre o salário mínimo", disse o porta-voz Manuel Adorni, referindo-se ao fracasso na quinta-feira passada do Conselho do Salário Mínimo, composto pelo governo, pelas câmaras empresariais e pelos sindicatos, que pediam um aumento de 85%.

Neste contexto, acrescentou Adorni, "o governo deve arbitrar entre as partes e fixar um salário mínimo", algo que o presidente Javier Milei havia inicialmente rejeitado.

O valor foi estabelecido em 180.000 pesos para fevereiro (US$ 204 na taxa oficial de câmbio, ou R$ 1.007), o que representa um aumento de 15% em relação aos 156.000 pesos atuais, e 202.800 pesos para março (US$ 230, ou R$ 1.136), um aumento de 30% em relação ao valor atual.

Desde o último ajuste salarial em dezembro, a inflação foi de 25,5% naquele mês e de 20,6% em janeiro, totalizando uma inflação interanual de 254%.

O ajuste salarial ocorre em um momento de aumento da conflitividade na Argentina, onde a pobreza atinge 57% da população, segundo um estudo do Observatório da Dívida Social da Universidade Católica Argentina (UCA) divulgado no último fim de semana.

Esta é a cifra mais alta de pobreza registrada por esta medição privada nos últimos 22 anos.

O sindicato ferroviário planeja uma greve nacional na quarta-feira, a federação dos trabalhadores da Saúde convocou outra greve na quinta-feira e quatro sindicatos de professores anunciaram medidas semelhantes para o início das aulas, entre a próxima semana e a seguinte.

O ministro da Economia, Luis Caputo, havia adiantado na segunda-feira à noite em uma entrevista televisiva que o governo iria fixar um aumento do salário mínimo.

A Confederação Geral do Trabalho (CGT), a maior central sindical da Argentina e de orientação opositora, acusou na quinta-feira o governo ultraliberal de Javier Milei de fazer fracassar o Conselho do Salário, "rompendo uma longa tradição de diálogo social tripartite".

"Não acredito que um político possa definir um preço à mão. Nem passa pela minha cabeça. Eu vou emitir um decreto fixando um preço?", havia dito Milei na sexta-feira sobre a fixação de um salário mínimo, após o fracasso da reunião.

Veja também

Governo quer que Petrobras aguarde antes de subir preço dos combustíveis por crise no Oriente Médio
Crise no Oriente Médio

Governo quer que Petrobras aguarde antes de subir preço

Salário mínimo em 2028 é de R$ 1.772, esclarece secretário do Orçamento
Salário

Salário mínimo em 2028 é de R$ 1.772, esclarece secretário do Orçamento

Newsletter