São João

Milho no Ceasa: vendas devem crescer 20% no período junino em Pernambuco

Desde o dia 12 de junho até o próximo sábado (24), às 13h, o Pátio do Milho do Ceasa-PE funciona 24h sem parar

Movimentação no Ceasa-PE na semana que antecede o São João Movimentação no Ceasa-PE na semana que antecede o São João  - Foto: Alexandre Aroeira/ Folha de Pernambuco

Com a proximidade do São João, o Centro de Abastecimento e Logística de Pernambuco (Ceasa-PE) já recebe centenas de pessoas em busca do milho para preparar as comidas típicas da época. Este ano, a expectativa é que as vendas superem as de 2022, com um aumento de 20% na oferta do produto e cerca de 12 milhões de espigas vendidas.
 
Desde o dia 12 de junho até o próximo sábado (24), às 13h, o Pátio do Milho do Ceasa-PE funciona 24h sem parar. 

De acordo com o presidente do Ceasa-PE, Bruno Rodrigues, o preço médio da mão de milho varia entre R$ 35 e R$ 40. No local, 20 vendedores fixos trabalham com o produto ao longo do ano. Na época junina, o número ultrapassa os 50. 

“A safra foi muito boa e isso ajudou também na manutenção do preço. Ou seja, o valor deste ano está acompanhando o do ano passado, em torno de R$ 40 a mão. Ficou muito bom e é um milho de excelente qualidade”, afirmou o presidente.

Ainda segundo Bruno, o mês de junho é especial para o Ceasa-PE, por conta da tradição junina, além do aumento das vendas.

“A gente ampliou não somente o horário, mas a questão da segurança, limpeza e agentes de trânsito. A gente teve um trabalho bem amplo de sinalização também para que possamos atender tanto o comerciante do Estado como um todo quanto os usuários”, comentou. 

Preço razoável
Segundo o comerciante José Emanoel da Silva, conhecido como ‘Zé Rico’, que tem 80 anos e trabalha há mais de 50 anos no local,  em 2022, a venda foi fraca, mas que este ano está melhor. “Tem mais mercadoria e o preço está sendo razoável. Todo mundo vai poder comer”, disse. 

Comerciante José Emanoel da Silva, conhecido como ‘Zé Rico’. Foto: Alexandre Aroeira/ Folha de Pernambuco

Já o comerciante Edielson Richard, 20, trabalha no Ceasa há 1 ano. Para ele, o movimento está mais fraco comparado ao ano passado. 

Comerciante Edielson Richard. Foto: Alexandre Aroeira/ Folha de Pernambuco 

“O movimento está fraco, ano passado estava melhor. O preço quem diz é o cliente, aqui está R$ 35, mas se der uma ‘choradinha’, a gente diminui para R$ 30. O gosto é do cliente e fazemos o gosto dele. Quanto mais movimentação, melhor”, pontuou. 

Luciana Farias, 50 anos, resolveu aproveitar a visita ao Ceasa e garantir o milho do São João. A dona de casa contou que pretende fazer pamonha, bolo de milho e milho cozido para celebrar a festividade. Para ela, o São João é a melhor época do ano. “Encontrei um precinho razoável e já estou levando. Pretendo fazer pamonha, milho cozido e bolinho de milho. Não vou fazer muita coisa não porque é um trabalho muito grande”, brincou.

Thaisa Lima e Luciana Farias. Foto: Alexandre Aroeira/ Folha de Pernambuco 

a estudante e autônoma Thaisa Lima, 38 anos, comprou a mão de milho por R$ 30 e relatou que “foi o melhor preço”. 

“A gente vem todo mês [ao Ceasa], temos muitos animais. A gente vem comprar ração e fazer a feirinha de verdura. Como já estamos aqui e o Ceasa tem a fama de ter o melhor preço, a gente veio fazer a pesquisa e já estamos levando. Achamos aqui nesse senhor por R$ 30 e foi o melhor preço”, destacou. Ela pretende preparar o milho cozido, além de dividir as espigas com a família.  

De acordo com o Ceasa-PE, o Estado participa com cerca de 80% de todo milho ofertado, sendo a maioria dos fornecedores oriunda dos municípios de Chã Grande, Gravatá, Belo Jardim, Passira, Vitória de Santo Antão, Amaraji, Pombos e Primavera. De outros estados, o Ceasa recebe milhos principalmente da Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte.

Veja também

CNJ e Uber assinam acordo para combater violência contra mulheres
Violência

CNJ e Uber assinam acordo para combater violência contra mulheres

Arroz: Governo debate com setor arrozeiro e segura leilão para depois do Plano Safra
BRASIL

Arroz: Governo debate com setor arrozeiro e segura leilão para depois do Plano Safra

Newsletter