Brasil

Ministério da Agricultura: fábrica da Backer continua interditada

Ao menos dez pessoas morreram intoxicadas por produtos da empresa

Cerveja Belorizontina, da BackerCerveja Belorizontina, da Backer - Foto: Reprodução/Instagram

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) esclareceu nesta segunda-feira (19) que as instalações da cervejaria Backer continuam interditadas. Segundo a pasta, a produção e o envase de bebidas estão proibidos porque a empresa ainda não atendeu as exigências feitas para garantir a segurança dos produtos. 

A manifestação do ministério foi motivada pela repercussão provocada pela abertura de um restaurante da marca próximo à fábrica interditada, no ultimo sábado (17), em Belo Horizonte. Desde o início deste ano, pelo menos dez pessoas morreram por intoxicação ao beberem cervejas da marca. A substancia tóxica encontrada foi dietilenoglicol, usada em sistemas de refrigeração devido a suas propriedades anticongelantes. 

Segundo o ministério, a proibição não impede a Backer de contratar uma empresa terceirizada que tenha registro no Mapa para para produzir as cervejas da marca. 
 

“O funcionamento do restaurante, anexo à planta fabril, é de competência dos órgãos de vigilância sanitária. A comercialização de bebidas nestes estabelecimentos somente poderá ocorrer se os produtos estiverem devidamente registrados no Mapa. Ressaltamos que o Mapa segue trabalhando, em conjunto com o Ministério Público do Estado de Minas Gerais e a Polícia Civil, no caso de intoxicação causada pelo consumo das cervejas produzidas pela cervejaria Backer”, diz a nota. 

Em nota, a Backer disse que a empresa é a "principal interessada no esclarecimento de toda e qualquer irregularidade relacionada com suas atividades e tem colaborado com o trabalho de autoridades”. 

Veja também

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA
BOLSA DE VALORES

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA

Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
economia

Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi