Brasil

Ministério da Economia eleva projeção de inflação para 7,9% em 2022

Foi mantida a expectativa de crescimento do PIB em 1,5% neste ano

Consumo das famílias Consumo das famílias  - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O Ministério da Economia elevou sua projeção de inflação para 2022 de 6,55% para 7,9% de acordo com o Boletim Macrofiscal divulgado nesta segunda-feira. Por sua vez, a expectativa de crescimento do PIB continuou em 1,5%, mesma projeção feita em março.

Se a expectativa de alta nos preços for concretizada, a inflação ficaria acima da meta de inflação para este ano, que é de 3,5% com piso de 2% e teto de 5%.

Para 2023, a projeção também subiu de 3,25% para 3,6%, ainda dentro do intervalo de tolerância da meta de 3,25% para o ano.

A partir de 2024, a expectativa é de convergência da inflação para a meta de 3%.

Essas expectativas servem como parâmetros para o relatório de Avaliação de Receita e Despesas que será divulgado na sexta-feira. Esse documento serve como base para decisões do governo de estabelecer contingenciamentos ou desbloquear recursos.

Na avaliação da Secretaria de Política Econômica, responsável pela confecção do boletim, o setor de serviços e a ampliação dos investimentos têm contribuído para a melhora do desempenho da atividade econômica. Para 2023, a expectativa de crescimento também permaneceu em 2,5%.

O documento também alerta para riscos externos, como a guerra na Ucrânia e o impacto na cadeia global de valor, que tem contribuído para altas na inflação em todo o mundo.

“O início de 2022 mostrou certo arrefecimento e acomodação da atividade global, dado o ambiente de incerteza gerado pelos reflexos da guerra entre Rússia e Ucrânia, em especial a continuidade das dificuldades de readequação das cadeias globais de suprimento e logística”, aponta.

  

Veja também

Atividade econômica no RS recua 9% em maio, estima Banco Central
Banco Central

Atividade econômica no RS recua 9% em maio, estima Banco Central

Ibovespa retoma sinal positivo, em alta de 0,26%, apesar da pressão no câmbio
Ibovespa

Ibovespa retoma sinal positivo, em alta de 0,26%, apesar da pressão no câmbio

Newsletter