BRASIL

Ministério da Fazenda eleva a projeção para a alta do PIB de 2024 de 2,2% para 2,5%

Para 2025, a projeção se manteve em 2,8%

A alta na previsão para o PIB de 2024 é motivada por maiores contribuições esperadas para a absorção doméstica e para o setor externoA alta na previsão para o PIB de 2024 é motivada por maiores contribuições esperadas para a absorção doméstica e para o setor externo - Foto: Marcello Casal/ Agência Brasil

O Ministério da Fazenda revisou para cima a projeção de alta do Produto Interno Bruto (PIB) para 2024. De acordo com a grade de parâmetros divulgada nesta quinta-feira, 16, pela Secretaria de Política Econômica (SPE), a estimativa para a expansão da atividade este ano passou de 2,2% para 2,5%.

Para 2025, a projeção se manteve em 2,8%. O último boletim macrofiscal da SPE havia sido divulgado em março de 2024.

De acordo com o Boletim Macrofiscal, a alta na previsão para o PIB de 2024 é motivada por maiores contribuições esperadas para a absorção doméstica e para o setor externo. No caso do avanço nas estimativas de absorção doméstica, contribuíram o crescimento "robusto" das vendas no varejo e dos serviços prestados às famílias, o aumento na geração líquida de postos de trabalho e a expansão das concessões de crédito, disse a Fazenda

Os sinais de recuperação do investimento, baseados na expansão de indicadores de atividade na construção civil e no crescimento das importações de bens de capitais, também auxiliaram nesse sentido. 

Para o setor externo, a perspectiva de maior contribuição reflete a depreciação cambial recente, argumentou a SPE.

Rio Grande do Sul
No documento, a Fazenda já fez uma ponderação sobre a tragédia climática registrada no Rio Grande do Sul, observando que, nas estimativas de crescimento, não estão considerados os impactos da calamidade do Estado na atividade econômica. 

A magnitude desse efeito depende da ocorrência de novos eventos climáticos, de transbordamentos desses impactos para Estados próximos e do efeito de programas de auxílio fiscal e de crédito nas cidades atingidas pelas chuvas, listou a SPE.



O PIB do Rio Grande do Sul, com peso aproximado de 6,5% no PIB brasileiro, deverá registrar perdas principalmente no segundo trimestre, parcialmente compensadas ao longo dos trimestres posteriores, avaliou a Fazenda. 

"Atividades ligadas à agropecuária e indústria de transformação deverão ser as mais afetadas a nível nacional, por serem mais representativas no PIB do Estado que no PIB brasileiro", escreveu a SPE.

PIB nos dois anos mais à frente
As projeções da SPE para o PIB nos anos mais à frente foram mantidas: em 2026, em 2,5%, para 2027, em 2,6%, e em 2028, em 2,5% de alta.

No último relatório Focus, divulgado na segunda-feira, 13, os analistas de mercado consultados pelo Banco Central projetaram uma alta de 2,09% para o PIB de 2024. 

Para 2025, a estimativa no Focus é de alta de 2,00%. As projeções de mercado para 2026 e 2027 também estão em 2,00%, para os dois anos.

Setores
Sobre 2024, a Fazenda afirma que a expansão projetada para serviços no ano mais que compensou revisões para baixo nas estimativas de crescimento da agropecuária e da indústria. Para a agropecuária, a variação esperada para o PIB saiu de -1,3% para -1,4%, refletindo, principalmente, a redução nos prognósticos para a safra de soja e milho neste ano.

No caso da indústria, a expectativa de crescimento em 2024 também foi revisada para baixo, de 2,5% para 2,4%. A alteração refletiu, sobretudo, o menor crescimento esperado para o setor no primeiro trimestre do ano, em função de dados mais fracos observados para indústria extrativa e para a produção de bens de capital em março, disse a Fazenda. 

Em contrapartida, a projeção para a expansão dos serviços aumentou de 2,4% para 2,7%.

Veja também

LCDs podem deixar bancos estaduais menos dependentes dos tesouros
Letra de Crédito do Desenvolvimento

LCDs podem deixar bancos estaduais menos dependentes dos tesouros

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

Newsletter