BRASIL

Ministério da Justiça suspende venda do carregador portátil da TecToy

Modelo "PowerbankXCharge" não pode ser comercializado porque não tem homologação da Anatel

Carregador Tec ToyCarregador Tec Toy - Foto: Divulgação

A Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor (Senacon) do Ministério da Justiça suspendeu a venda do carregador portátil da TecToy. A empresa tem cinco dias para se defender, sob pena de multa diária de R$ 50 mil.

Segundo a Senacon, a bateria de celular PowerbankXCharge não tem homologação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o que pode pôr em risco a saúde e a segurança dos consumidores.

Em nota, o ministro da Justiça, Anderson Torres, alertou que o uso do equipamento pode provocar choque, superaquecimento e até mesmo uma explosão.

“Por isso, a intervenção do Ministério é fundamental para garantir a proteção à saúde do consumidor”, diz o ministro na nota.

O texto afirma que o carregador portátil de celular "Power Bank 995810071846 - XCharge" não tem permissão para ser vendido pela internet - nem no site da Tectoy ou em outros endereços eletrônicos especializados em tecnologias.

Contudo, o equipamento está disponível para venda na internet por preços que variam de R$ 116 a R$ 125.

A Senacon informou, ainda que não é possível avaliar a extensão dos danos por não dispor de informação sobre número de carregadores vendidos e quantidade de consumidores que compraram o equipamento.
 

De acordo com a nota, caso se sintam lesados, os consumidores podem acessar a plataforma consumidor.gov.br. O serviço é gratuito e permite a interlocução direta entre consumidores e empresas para solução alternativa de conflitos de consumo pela internet.

Se a reclamação não for resolvida no Consumidor.gov.br, a Senacon recomenda ao comprador ir até ao Procon ou à defensorias públicas, juizados especiais de pequenas causas.

Veja também

Vendas de veículos novos crescem 0,22% no país
Carros

Vendas de veículos novos crescem 0,22% no país

Caixa pagou obras em mansão de Pedro Guimarães
Escândalo na Caixa

Caixa pagou obras em mansão de Pedro Guimarães