BRASIL

Ministro afirma que bioeconomia deve ser prioridade no país

Avaliação é do titular da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim

Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo AlvimMinistro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim - Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim, defendeu nesta terça-feira (17) o avanço no país da bioeconomia – modelo de produção industrial baseado no uso de recursos biológicos, como alternativa aos não renováveis. De acordo com o ministro, o modelo é estratégico e prioritário em razão das características da biodiversidade brasileira.

“Um país que tem a biodiversidade, com o número de biomas que nós temos, nós não podemos abandonar esse fator diferencial. Isso, somado à capacidade de pesquisa científica que nós temos, que precisa ser ampliada, mas que nós temos, e na pandemia mostrou a sua força, nós conseguiremos construir um país diferente”, disse Alvim no Fórum de Inovação Anbiotec, na 27ª Feira Hospitalar, na capital paulista.

O ministro ressaltou que o incremento da bioeconomia, assim como o da transformação digital, é fundamental no atual momento. "Nós não temos dúvida que duas áreas são estratégicas nessa retomada pós-pandemia: a transformação digital, que já se mostrou extremamente relevante, e a bioeconomia, como fator de diferenciação para garantir desenvolvimento sustentável”, disse. 

De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a bioeconomia movimenta no mercado mundial cerca de 2 trilhões de euros e gera cerca de 22 milhões de empregos. Segundo a entidade, o modelo responderá, até 2030, por 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) dos seus países membros.

Veja também

Audi do Brasil lança nova linha do A3, A4 e A5 no Festival Interlagos
fmotors

Audi do Brasil lança nova linha do A3, A4 e A5 no Festival Interlagos

Postos anunciarão preço de combustível válido antes da redução do ICMS
Preço dos combustíveis

Postos anunciarão preço de combustível válido antes da redução do ICMS